Boato sobre ex-ministra Zélia distorce debate sobre nomeação de filho de Bolsonaro para embaixada

Boato sobre ex-ministra Zélia distorce debate sobre nomeação de filho de Bolsonaro para embaixada

Publicação no Facebook faz alegação falsa de que ministra da Economia de Collor foi embaixadora nos Estados Unidos

Alessandra Monnerat

16 de julho de 2019 | 17h02

A ex-ministra da Fazenda Zélia Cardoso de Melo em 2007. Foto: Marcio Fernandes/AE.

É falso que a ministra da Economia, Fazenda e Planejamento do governo de Fernando Collor, Zélia Cardoso de Melo, tenha sido embaixadora nos Estados Unidos. A alegação falsa surgiu nas redes sociais após o presidente Jair Bolsonaro afirmar que pretende indicar um dos filhos, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-RJ), para a embaixada em Washington.

No Facebook, uma publicação acusa falsamente Zélia de ter sido embaixadora do Brasil nos Estados Unidos antes de ser ministra, sem nem mesmo saber falar inglês. Na verdade, ela integrou a equipe econômica da embaixada brasileira em Londres, em 1981. Em março de 1990, o presidente eleito Fernando Collor de Mello anunciou que Zélia seria ministra de uma fusão das pastas da Fazenda, do Planejamento, da Indústria e Comércio e, parcialmente, da Agricultura.

Desde a redemocratização, todos os embaixadores brasileiros em Washington saíram do Instituto Rio Branco, centro de formação de diplomatas do Itamaraty. Os homens que ocuparam o cargo durante o período em que Collor esteve na Presidência foram Marcílio Marques Moreira (1986-1991) e Rubens Ricupero (1991-1993).

Este conteúdo foi selecionado para checagem por meio da parceria entre Estadão Verifica e Facebook. O site Aos Fatos também verificou esse boato. Para sugerir verificações, envie uma mensagem para o número (11) 99263-7900

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.