Boato faz alegações falsas sobre Globo e Criança Esperança
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Boato faz alegações falsas sobre Globo e Criança Esperança

Acusação antiga de que emissora repassa à Unesco apenas 10% do que arrecada com o Criança Esperança é falsa

Alessandra Monnerat e Caio Sartori

26 de abril de 2019 | 14h23

Taís Araújo e Lázaro Ramos posam durante o intervalo do Criança Esperança 2015. Foto: Globo/João Miguel Junior

Não é verdade que a TV Globo repassa para a Organização das Nações Unidas Para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) apenas 10% do que arrecada com o Criança Esperança. Uma imagem que circula no Facebook e no WhatsApp alega que a informação teria sido vazada em um documento pelo Wikileaks, o que também é falso.

A acusação falsa contra a TV Globo foi publicada originalmente no Facebook em 2014, segundo checagem publicada em 2017 pela Agência Pública. A alegação se baseia em uma interpretação errada de documentos veiculados pelo Cablegate, vazamento de informações das embaixadas dos Estados Unidos feito pelo Wikileaks.

Alguns desses arquivos da diplomacia americana discutiam uma suspeita de desvio de verbas na Unesco em Brasília. Uma das questões investigadas era o manejo de verbas do Criança Esperança, pelo qual a agência das Nações Unidas recebia 10% de “taxa de serviço”. O documento, de 2006, apontava que foram levantados mais de 40 milhões de dólares desde 1986. Neste caso, não há acusação de irregularidade contra a TV Globo.

Trecho do documento do Wikileaks sobre suspeitas de desvio na Unesco em Brasília. Foto: Reprodução/Wikileaks

Em 2011, a Unesco já havia divulgado nota em resposta a “mensagens que circulam na internet com falsas informações”. O texto esclarecia que “doações para o Criança Esperança são diretamente depositadas em conta administrada pela Unesco, que destina esses recursos única e exclusivamente para projetos sociais implementados no Brasil”

Outra alegação falsa presente na imagem é a de que a Globo teria sonegado R$ 600 milhões de impostos. Não há indícios que apontem para isso. O que existe de concreto em relação a alguma sonegação por parte da empresa é um processo envolvendo manobras contábeis durante a negociação para transmitir a Copa do Mundo de 2002.

Foi apontado que a Globo devia R$ 183 milhões de imposto de renda — o que, por sua vez, gerou uma multa de R$ 274 milhões para a empresa. Somados e corrigidos pela inflação, os valores giram em torno dos R$ 600 milhões citados no boato. A empresa afirma que já pagou a dívida e que o processo foi encerrado.

O boato cita ainda que o Criança Esperança só existe para a Globo ter isenção no Imposto de Renda (IR). Não é verdade. A próprio Unesco esclareceu, em nota, que doações dirigidas à entidade não são abatíveis no IR – a legislação não permite a dedução de contribuições feitas a organizações internacionais. “A Globo, assim como a Unesco, não se beneficia de qualquer recurso de abatimento fiscal em função do Criança Esperança”, informou a agência.

Essa desinformação já foi checada pelos sites Boatos.Org (2016), Agência Pública (2017) e Agência Lupa (2019). O Estadão Verifica selecionou este conteúdo para verificação por meio da plaforma de fact checking do Facebook. Leia mais sobre a parceria.

Tendências: