Boato falso sobre retomada das obras da Transnordestina usa vídeo de ferrovia no Pará
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Boato falso sobre retomada das obras da Transnordestina usa vídeo de ferrovia no Pará

Mensagem diz que trabalhos foram retomados pelo governo Jair Bolsonaro, mas imagens são de expansão de trecho no Norte do País concluída em 2018

Paulo Roberto Netto

09 de maio de 2019 | 17h56

Placa de sinalização em meio a obras inacabadas da Transnordestina em Missão Velha, no Ceará. Foto: Ueslei Marcelino/REUTERS. (25/10/2016)

Um vídeo de supostas obras da ferrovia Transnordestina circula pelo Facebook afirmando se tratar de uma iniciativa do governo Jair Bolsonaro. As imagens, no entanto, são antigas e mostram trabalhos de duplicação de uma ferrovia no Pará. A desinformação também não é nova e já foi desmentida no ano passado em outro contexto.

A cena mostra a construção de trilhos em meio a uma estrada de terra. Em determinado momento, uma das pessoas presentes diz se tratar de obras em Marabá, no Pará, e que a ferrovia seguiria até o Maranhão. A legenda que acompanha o vídeo informa que se trata da Transnordestina, retomada pelo governo federal após ficar parada por 30 anos.

As obras, no entanto, se referem à expansão da Estrada de Ferro Carajás, da Vale, que conecta Carajás, no sudeste do Pará, ao Porto de Ponta da Madeira, em São Luís (MA). No próprio vídeo, o logo da empresa é visto em um dos trens presentes na obra.

Segundo a mineradora, os trabalhos foram realizados entre 2013 e 2018 e abrangeram 575 quilômetros de ferrovia duplicada em 27 localidades entre o Maranhão e o Pará, 77 deles no trecho de Marabá. Houve também a construção de 40 pontes ferroviárias, 6 viadutos ferroviários e 48 viadutos rodoviários.

É importante destacar que as obras da chamada Nova Transnordestina não englobam os Estados do Pará e Maranhão. O trecho de 1.753 quilômetros projeta ligar o Porto de Pecém, no Ceará, o Porto de Suape, em Pernambuco, e o município de Eliseu Martins, no cerrado do Piauí.

Atualmente, os trabalhos da ferrovia estão paralisados, após o repasse de recursos para a Transnordestina ser suspenso por decisão do Tribunal de Contas da União (TCU). O orgão encontrou “alto risco” nas obras e revisou entendimento anterior, que havia revogado uma medida cautelar semelhante.

Em nota, a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) informou desconhecer “a retomada de qualquer obra na Transnordestina” e informa que a área de ferrovia já fechou o relatório que apura indícios de descumprimentos no contrato firmado entre o governo e a Transnordestina Logística SA (TLSA), responsável pelo empreendimento.

Procurada pela equipe do Estadão Verifica, a TLSA, do grupo Companhia Siderúrgica Nacional, não comentou a situação das obras.

Chineses

O mesmo vídeo já circulou pelas redes sociais acompanhando um boato falso sobre interferências externas no Brasil. As imagens apontavam que as obras eram feitas por chineses e russos e visavam conectar Marabá a Lucas do Rio Verde, no Maranhão. A mensagem afirmava que o Brasil “já está dominado pela China” e pedia intervenção popular. À época, o boato foi desmentindo pelo Boatos.org.

Tendências: