Boato falso diz que PT foi ao STF contra redução do preço do gás
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Boato falso diz que PT foi ao STF contra redução do preço do gás

Peça de desinformação antiga circula com nova roupagem após lançamento de programa do governo Bolsonaro

Paulo Roberto Netto

08 de agosto de 2019 | 14h32

A deputada federal Gleisi Hoffmann discursa em assembleia da Ford, em São Bernardo do Campo (SP). Foto: Amanda Perobelli / Reuters (12/03/2019)

É falso que o Partido dos Trabalhadores (PT) tenha ingressado com uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF) para impedir a redução do preço do gás. A peça de desinformação é antiga, mas circula com nova roupagem desde o lançamento do programa Novo Mercado do Gás, no fim de julho. Consulta no site do tribunal, no entanto, não localiza nenhum processo do partido contra a União desde junho.

Para questionar uma ação do governo considerada inconstitucional no Supremo, o PT precisaria ingressar com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI). A mais recente foi impetrada no dia 21 de junho, e se referia a uma medida provisória sobre a demarcação de terras indígenas.

Consulta processual no site do STF também não localizou nenhum processo movido pelo PT em julho, mês do lançamento do Novo Mercado do Gás.

O programa prevê a economia de até 40% do preço do insumo nos próximos dois anos, a partir de incentivos a investimentos, enfrentamento de monopólios e diversificação de empresas que atuam no setor. O ‘Estado’ explicou como funciona o mercado do gás no Brasil.

Nova roupagem. O formato da peça de desinformação não é nova. Desde o início do ano, outros sites de checagem desmentem boatos sobre falsos processos judiciais movidos pelo PT contra o governo, como ações para impedir Bolsonaro de acabar com a seca do Nordeste e barrar o pagamento do 13º do Bolsa-família.

Este boato foi selecionado para checagem a partir de parceria entre o Estadão Verifica e o Facebook. Aos Fatos, Boatos.org e o E-farsas também desmentiram essa peça de verificação.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: