Boato falso diz que foto de engarrafamento mostra protesto contra preço do combustível

Boato falso diz que foto de engarrafamento mostra protesto contra preço do combustível

Publicação enganosa no Facebook voltou a ser compartilhada recentemente e já se espalhou por diversos países

Alessandra Monnerat

03 de maio de 2019 | 09h57

Publicação de foto tirada de contexto viralizou no Facebook. Foto: Reprodução/Facebook.

No Facebook, uma foto mostra centenas de carros parados e enfileirados, com seus motoristas do lado de fora dos veículos. A legenda da publicação diz que se trata de um protesto contra a alta do preço de combustível na Alemanha, mas na verdade a imagem foi feita em um superengarrafamento na China, em 2015.

A postagem acumula 1,3 milhão de compartilhamentos desde 2017, e tem voltado a ser distribuída recentemente. O texto que acompanha a foto alega que “em apenas uma hora”, “mais de um milhão” de pessoas abandonaram seus carros nas ruas em manifestação contra um aumento no preço de gasolina. O protesto teria dado certo e a tarifa teria sido baixada. Mas nada disso é verdade.

Uma simples busca reversa de imagem (veja como usar aqui) mostra que vários sites de fact checking já verificaram o boato internacionalmente, em países como Estados Unidos e Índia.

No Google, em “ferramentas”, também é possível ajustar a data da pesquisa para mostrar resultados anteriores a 2017, ano em que a foto começou a viralizar. Dessa forma, encontramos uma notícia do jornal britânico The Telegraph que mostra a situação verdadeira em que a imagem foi feita: um grande engarrafamento na entrada em razão de um feriado nacional na China, em 2012. A fotografia é da agência Rex.

Este conteúdo foi selecionado para checagem por meio da ferramenta de fact checking do Facebook — leia mais sobre a parceria com o Estadão Verifica aqui. Os sites Boatos.Org, Aos Fatos, AFP Check, G1 e E-Farsas também verificaram essa desinformação anteriormente.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.