Boataria sobre jornalista do caso Vaza Jato cita falso mandado de prisão
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Boataria sobre jornalista do caso Vaza Jato cita falso mandado de prisão

Circula em redes sociais texto que cita ação da Polícia Federal durante tentativa de embarque de Glenn Greenwald para o exterior; isso nunca aconteceu

Paulo Roberto Netto

29 de julho de 2019 | 18h54

O jornalista Glenn Greenwald participa de sessão da Câmara de Constituição e Justiça do Senado, em Brasília. Foto: Adriano Machado / Reuters (11/07/19)

Um dia depois da Operação Spoofing prender quatro pessoas suspeitas de invadir o celular do ministro Sérgio Moro (Justiça e Segurança Pública), uma história falsa sobre um mandado contra Glenn Greenwald e sua prisão começou a circular nas redes sociais. O boato é o mais recente em uma série de desinformações já desmentidas pelo Estadão Verifica envolvendo o jornalista.

De acordo com o boato, a PF teria impedido Glenn de embarcar em um voo da American Airlines no Aeroporto Internacional de Guarulhos (SP) com onze malas. O motivo seria um mandado de prisão expedido contra o jornalista. A história falsa narra que um dos advogados de Glenn, o criminalista Cristiano Zanin, defensor de Lula, teria impetrado um habeas corpus para impedir sua prisão.

A Polícia Federal não registrou nenhuma ocorrência ou inquérito envolvendo Glenn Greenwald, segundo nota encaminhada ao Estadão Verifica.

O site The Intercept Brasil, o qual Glenn é editor-fundador, também respondeu que se trata de um boato falso.

Imagens. Para ilustrar a história falsa, o boato utiliza duas imagens antigas envolvendo a Polícia Federal. A primeira delas mostra quatro agentes de costas no saguão do Aeroporto de Guarulhos, como se estivessem em uma operação. A imagem não é atual e foi feita em 9 de agosto de 2012 pelo fotógrafo Lucas Dantas. Na ocasião, os policiais se movimentavam no terminal em meio à greve da categoria.

Movimentação no aeroporto de Cumbica em Guarulhos (SP) de servidores da Polícia Federal em greve por tempo indeterminado. Foto: Lucas Dantas/Futurapress (09/08/2012)

A segunda foto, por sua vez, induz o leitor a acreditar que se trata de uma multidão tentando gravar o momento da prisão de Greenwald. Na verdade, a foto foi tirada no Aeroporto de Congonhas (SP) em 03 de março de 2016 pelo fotógrafo Renato S. Cerqueira. O momento se tratava de manifestações contra o ex-presidente Lula, que prestou depoimento no terminal na 24ª fase da Operação Lava Jato, Aletheia.

Manifestantes protestam contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em frente à Polícia Federal no Aeroporto de Congonhas, em São Paulo. Foto: Renato S. Cerqueira / Futurapress

Ataques. Greenwald tem sido alvo de boatos falsos desde o início das reportagens do The Intercept Brasil envolvendo conversas atribuídas a Moro e aos procuradores da Operação Lava Jato. É falso, por exemplo, que o jornalista seja considerado “traidor dos Estados Unidos” e que tenha sido acusado de “atentar contra a segurança pública do Reino Unido”.

Este boato foi sinalizado para checagem a partir da parceria entre o Estadão Verifica e o Facebook. O Aos Fatos também checou esta desinformação. Para sugerir checagens, envie uma mensagem por WhatsApp ao número (11) 99263-7900.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: