Post exagera importância de convite ao Brasil para a Cúpula das Américas

Post exagera importância de convite ao Brasil para a Cúpula das Américas

Embora o post acerte em dizer que o governo norte-americano chamou Jair Bolsonaro (PL) para o evento, o convite não denota prestígio porque o Brasil é membro da Organização dos Estados Americanos (OEA), o que já garantiria a participação na Cúpula

Projeto Comprova

09 de junho de 2022 | 10h00

Esta checagem foi produzida por jornalistas da coalizão do Comprova. Leia mais sobre nossa parceria aqui.

Conteúdo investigado: Tuíte traz uma montagem com imagens dos rostos dos presidentes Jair Bolsonaro e Joe Biden, uma ao lado da outra. O conteúdo é acompanhado da legenda: “Biden pede pinico (sic) e convida Bolsonaro a ir à Cúpula das Américas. O mundo se rende à importância do Brasil”.

Onde foi publicado: Twitter.

Conclusão do Comprova: É enganosa uma publicação no Twitter que afirma que “o mundo se rende à importância do Brasil”, fazendo referência ao convite feito pelo governo dos Estados Unidos a Bolsonaro para participar da Cúpula das Américas.

Apesar de Biden, de fato, ter chamado o presidente brasileiro para o evento que reúne periodicamente os líderes das Américas do Norte, do Sul, Central e do Caribe, o convite não pode ser considerado notável porque, sendo um país membro da OEA, o Brasil teria participação garantida.

Comentários no post indicam que muitas pessoas entenderam que o convite seria importante. “Estão respeitando o Brasil como merece e deve. O capitão é duro e o Brasil agora tem dono, nós patriotas e comandados por um grande brasileiro”, escreveu um dos usuários. “Falaram que o líder Bolsonaro estava isolado e agora imploram a ida dele!”, “Biden só chamou o Bolsonaro para ajudar porque sabe que ele vence as eleições no Brasil e irá precisar do Brasil lá na frente”, disseram outros.

Enganoso, para o Comprova, é o conteúdo retirado do contexto original e usado em outro de modo que seu significado sofra alterações; que usa dados imprecisos ou que induz a uma interpretação diferente da intenção de seu autor; conteúdo que confunde, com ou sem a intenção deliberada de causar dano.

Alcance da publicação: O Comprova investiga os conteúdos suspeitos de maior alcance nas redes sociais. Até o dia 8 de junho, a publicação teve mais de 2,6 mil interações entre comentários, curtidas e compartilhamentos.

O que diz o autor da publicação: O Comprova entrou em contato com o autor do tuíte por meio de uma comentário na rede social, uma vez que seu perfil não autoriza o envio de mensagens diretas; o autor, no entanto, não respondeu ao nosso contato.

Como verificamos: O Comprova buscou informações sobre o funcionamento e o objetivo da Cúpula das Américas em sites oficiais como o da OEA, do Departamento de Estado dos Estados Unidos, da Embaixada dos Estados Unidos no Brasil, além de notícias da imprensa brasileira (Folha de S.PauloG1Correio BrazilienseEstadão).

A equipe também buscou a OEA, o Departamento de Estado dos Estados Unidos e a Casa Branca a fim de entender como é realizado o processo de convocação dos países que participam da reunião.

Por fim, a equipe conversou com a coordenadora do curso de Relações Internacionais da Fundação Armando Alvares Penteado (FAAP) e consultora da Comissão de Relações Internacionais da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/SP), Fernanda Magnotta, que fez uma análise sobre a participação do Brasil no encontro deste ano.

A Cúpula das Américas

O evento é uma reunião periódica entre 35 governantes de países da América e do Caribe, que tem como objetivo a discussão de questões políticas comuns e a construção de uma visão compartilhada para enfrentar os desafios enfrentados pelos países da região.

A cúpula ocorre aproximadamente uma vez a cada três anos e é a única reunião de todos os líderes da América e Caribe.

Além dos governantes, cada encontro é formado pelo Grupo de Revisão da Implementação de Cúpulas (Gric), pelo Grupo de Trabalho Conjunto de Cúpulas – composto por 13 instituições regionais e internacionais que fornecem assistência técnica durante a negociação dos temas da Cúpula -, por organizações da sociedade civil, representantes de comunidades indígenas, líderes cívicos, empresários e jovens empreendedores.

A nação que sedia a reunião atua como presidente do processo das Cúpulas e o anfitrião anterior atua como vice-presidente.

De acordo com o Departamento de Estado dos Estados Unidos, a primeira Cúpula das Américas foi convocada pelo então presidente americano Bill Clinton e ocorreu em dezembro de 1994, em Miami, na Flórida. O propósito da reunião era criar a Área de Livre Comércio das Américas (Alca).

Desde então, sucederam-se oito edições: Santiago, Chile (1998); Cidade de Quebec, Canadá (2001); Mar del Plata, Argentina (2005); Port of Spain, Trinidad e Tobago (2009); Cartagena, Colômbia (2012); Cidade do Panamá, Panamá (2015) e Lima, Peru (2018).

Conforme consta no site da OEA, que atua como secretária técnica da Cúpula, alguns temas já discutidos em reuniões anteriores foram educação, o problema das drogas nas Américas, sustentabilidade ambiental, segurança energética, discriminação e criminalidade.

Participação do Brasil na Cúpula de 2022

Em 2022, a Cúpula das Américas está sendo sediada em Los Angeles, nos Estados Unidos, entre os dias 6 e 10 de junho. O tema desta nona edição é “Construindo um futuro sustentável, resiliente e equitativo”.

Ao Comprova, a OEA e o Departamento de Estado dos Estados Unidos afirmaram que é o país anfitrião, neste caso os Estados Unidos, que emite os convites para a Cúpula.

A única informação verdadeira do post aqui verificado é que, de fato, o governo norte-americano convidou Jair Bolsonaro para participar da reunião, como consta na declaração do assessor especial da Casa Branca: “Nesta manhã, em meu encontro com o presidente Bolsonaro, reiterei o nosso desejo de que o Brasil seja um participante ativo da Cúpula, pois reconhecemos a responsabilidade coletiva de avançar para um futuro mais inclusivo e próspero”.

Em 26 de maio, o Ministério das Relações Exteriores (MRE) informou que Bolsonaro aceitou comparecer na reunião. O presidente brasileiro deve chegar aos Estados Unidos na quinta-feira, dia 9 de junho.

No entanto, na análise da coordenadora do curso de Relações Internacionais da FAAP e consultora da Comissão de Relações Internacionais da OAB/SP, Fernanda Magnotta, o convite feito pelo governo dos Estados Unidos a Bolsonaro não é significativo porque o Brasil é um país membro da OEA, o que assegura participação na Cúpula.

“O Brasil ser convidado não representa muito, porque é uma praxe. Me parece que a expressão ‘o mundo se rende à importância do Brasil’ é uma tentativa de capitalizar politicamente, no contexto das eleições. O governo Bolsonaro tenta há tempos descolar um encontro bilateral com Biden, entre outras razões, para tentar contestar a ideia de que o país é um pária internacional e está isolado. Há uma lógica política doméstica”, afirma Magnotta.

Ainda de acordo com a especialista, o encontro deste ano é bastante simbólico e esperado por dois motivos. O primeiro é que os Estados Unidos não sediavam a Cúpula desde a sua primeira edição e o segundo é que a última reunião foi considerada um fiasco diante da ausência de diversos líderes, como o próprio Donald Trump, então presidente dos Estados Unidos.

Ausências no evento

Segundo informações divulgadas na imprensa (CNN BrasilCNNAgência ReutersPoder360) em 6 de junho, primeiro dia da Cúpula, o país anfitrião não convidou Cuba, Venezuela e Nicarágua por considerar que os países não possuem regimes democráticos.

A ausência dos convites gerou instabilidade diplomática e líderes de algumas nações confirmaram que não estarão presentes no evento. Conforme noticiou o G1, os presidentes do México, Andrés Manuel López Obrador, de Honduras, Xiomara Castro, e da Guatemala, Alejandro Giammattei, anunciaram que recusaram o convite para participar do encontro.

O presidente da Bolívia, Luis Arce, anunciou que não irá a Los Angeles se todos os outros líderes do hemisfério não forem ao evento, e o chefe de Estado do Uruguai, Luis Lacalle Pou, cancelou a viagem após testar positivo para a covid-19.

A Casa Branca foi procurada pelo Comprova, mas não retornou até o fechamento desta checagem.

Por que investigamos: O Comprova investiga conteúdos sobre pandemia, eleições e políticas públicas que atinjam grau de viralização nas redes sociais. Ao ser compartilhada por perfis que apoiam o presidente, a publicação investigada ajuda a promover a ideia de que a repercussão global do governo federal é de aclamação, sem informações que sustentem essa percepção.

Outras checagens sobre o tema: Anteriormente, o Projeto Comprova mostrou que era enganoso post comparando falas de Biden e Bolsonaro sobre uso de máscaras e que uma enquete popular não oficializava Jair Bolsonaro como Personalidade do Ano na revista Time.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.