Animação de projeto de ponte na Espanha é divulgada como se mostrasse obra no rio Xingu
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Animação de projeto de ponte na Espanha é divulgada como se mostrasse obra no rio Xingu

Presidente Jair Bolsonaro de fato anunciou projeto de construção no Pará, mas imagens que circulam nas redes sociais são de estrutura erguida sobre rio Tejo

Gabi Coelho, especial para o Estado

30 de julho de 2020 | 16h54

Após o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) anunciar no dia 17 de julho a intenção de construir uma ponte sobre o rio Xingu, no Pará, postagens no Facebook compartilharam a animação de outro projeto para se referir à obra do atual governo. O Estadão Verifica analisou as imagens e, na verdade, o vídeo é da ponte de Arcos de Alconétar, construída sobre o rio Tejo, na Espanha.

Post enganoso se refere ao projeto de ponte sobre o rio Xingu, mas vídeo é de uma obra na Espanha

Por meio da ferramenta de verificação de vídeos InVid, encontramos uma publicação anterior da animação no YouTube (veja abaixo). O vídeo completo, postado em abril de 2013, mostra o processo de construção da ponte Alconétar — projeto da companhia espanhola OHL. Ao procurar mais informações sobre a obra, acessamos o site da empresa de engenharia Sener, que executou a construção. A ponte tem 400 metros de extensão e foi entregue em 2006.

Além disso, a estrutura mostrada nas imagens não tem as características de construções comumente vistas no Brasil. O engenheiro civil Ricardo Almeida, da empresa Diretor Almeida & Oliveira Engenharia, comentou ao Estadão Verifica que o projeto do vídeo é um tipo de solução pouco usada aqui. “Hoje as pontes estaiadas (suspensas por cabos) se mostram mais viáveis, principalmente para vãos maiores que 150 metros”, disse ele.

Qual o projeto de ponte sobre o rio Xingu?

Com objetivo de ligar as cidades de Anapu e Altamira através da BR-230, a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) havia anunciado em 2014 para algumas rádios do Pará que faria uma obra sobre o rio Xingu. No mesmo ano, o Departamento Nacional de infraestrutura de Transportes (DNIT) lançou um edital, mas o projeto não foi executado.

Documento

No dia 17 de julho, Bolsonaro publicou em seu Twitter que contraria projeto de engenharia e licença ambiental para construção da ponte. O vídeo divulgado pelo presidente não mostra as mesmas imagens que a animação analisada. Em uma live na última terça-feira, 21, o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes Freitas, disse que existe uma questão judicial para ser resolvida, mas que a previsão do início da obra é para os primeiros meses de 2021.

Em nota, o Governo Federal explicou que o investimento será de R$ 219 milhões e que o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) está no processo final do projeto e de construção da ponte, que contém cerca de 700 metros

Nesta semana a Agência Lupa também publicou uma checagem desmentindo o boato.

Este boato foi checado por aparecer entre os principais conteúdos suspeitos que circulam no Facebook. O Estadão Verifica tem acesso a uma lista de postagens potencialmente falsas e a dados sobre sua viralização em razão de uma parceria com a rede social. Quando nossas verificações constatam que uma informação é enganosa, o Facebook reduz o alcance de sua circulação. Usuários da rede social e administradores de páginas recebem notificações se tiverem publicado ou compartilhado postagens marcadas como falsas. Um aviso também é enviado a quem quiser postar um conteúdo que tiver sido sinalizado como inverídico anteriormente.

Um pré-requisito para participar da parceria com o Facebook  é obter certificação da International Fact Checking Network (IFCN), o que, no caso do Estadão Verifica, ocorreu em janeiro de 2019. A associação internacional de verificadores de fatos exige das entidades certificadas que assinem um código de princípios e assumam compromissos em cinco áreas:  apartidarismo e imparcialidade; transparência das fontes; transparência do financiamento e organização; transparência da metodologia; e política de correções aberta e honesta. O comprometimento com essas práticas promove mais equilíbrio e precisão no trabalho.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.