Agressão a youtuber gera onda de boatos e informações distorcidas
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Agressão a youtuber gera onda de boatos e informações distorcidas

Postagens tentam relacionar caso de Karol Eller, apoiadora de Bolsonaro, a motivação política; no entanto, polícia concluiu que youtuber que iniciou as agressões

Alessandra Monnerat

19 de dezembro de 2019 | 13h05

Atualização (20/12): Esta matéria foi atualizada para incluir novos desdobramentos do caso.

O caso da agressão contra a youtuber Karol Eller, conhecida por sua militância a favor do presidente Jair Bolsonaro, gerou uma onda de boatos e informações distorcidas nas redes sociais. Mesmo antes de divulgado qualquer dado concreto sobre o agressor, diversas postagens afirmavam que a motivação da violência foi política.

Inicialmente, a Polícia Civil investigava o caso como homofobia — Karol é lésbica e estava com a namorada em um quiosque na praia da Barra da Tijuca, zona oeste do Rio. No entanto, na noite de quinta-feira, 19, a delegada do caso, Adriana Belém, concluiu que foi a youtuber que iniciou as agressões após ouvir Karol, sua namorada, o agressor e outras testemunhas. A hipótese de homofobia foi descartada. A informação foi divulgada pelo Jornal Nacional. 

O caso foi registrado inicialmente na 16ª Delegacia de Polícia, na Barra da Tijuca, como lesão corporal e injúria por preconceito. Na manhã da quinta-feira, a titular da delegacia, Adriana Belém, havia confirmado ao Estadão Verifica que a violência não tinha “nada a ver com motivação política”. Segundo a delegada, nem Karol nem o agressor citaram posicionamento político em seus depoimentos. 

Karol Eller e sua namorada deverão ser ouvidas novamente pela polícia e podem ser indiciadas por denunciação caluniosa.

A youtuber Karol Eller em encontro com o presidente Jair Bolsonaro Foto: Reprodução/Instagram Karol Eller

A youtuber ainda não se posicionou publicamente sobre o assunto. Na noite de quarta-feira, 18, ela postou um vídeo em seu Instagram em que afirma estar de volta ao hospital e que ainda vai explicar em detalhes o ocorrido. Karol também agradeceu as mensagens de apoio dos seguidores. 

A informação sobre a agressão foi publicada inicialmente pelo colunista Leo Dias, do Jornal de Brasília na terça-feira, 17. De acordo com ele, Karol foi agredida a socos e pontapés no último domingo, 15, até ficar desacordada.

No mesmo dia em que o caso foi revelado, várias publicações tentavam relacionar o agressor de Eller à esquerda ou ao Partido dos Trabalhadores (PT). Veja alguns exemplos:

 

 

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: