Abertura de fronteira da Venezuela para opositores de Bolsonaro é piada
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Abertura de fronteira da Venezuela para opositores de Bolsonaro é piada

Divisas venezuelanas permanecem fechadas; quarentena no país segue até 12 de maio

Estadão Verifica

11 de maio de 2020 | 12h15

É falso que o presidente venezuelano Nicolás Maduro tenha declarado que o país vizinho abriu a fronteira com o Brasil para receber opositores ao governo do presidente Jair Bolsonaro. O boato começou como uma piada no ano passado, mas voltou a enganar internautas recentemente.

O Estadão Verifica analisou que a mensagem original começou a ser compartilhada em fevereiro de 2019, mas ganhou força após uma montagem feita por um estudante de Engenharia Civil da Universidade Federal do Amazonas (UFAM). A mensagem também contém erro de português.

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro Foto: Photo/Matias Delacroix, File

No dia 12 de abril, Maduro anunciou em sua conta no Twitter que prorrogou a quarentena em todo o território por mais 30 dias. As fronteiras do país permanecem fechadas. “Embora estejamos progredindo na contenção da pandemia, não podemos reivindicar a vitória. É necessário continuar unido no esforço coletivo pela saúde das pessoas”, disse Maduro.

Segundo a AFP, 379 venezuelanos foram confirmados com a covid-19. Apenas 10 pessoas morreram. Há uma incerteza sobre os reais números do novo coronavírus no país. A desconfiança aumentou após a prisão de 10 pessoas por informar sobre a covid-19, denuncia a ONG de Direitos Humanos Foro Penal. 

Já o governo brasileiro prorrogou, por mais trinta dias no início de abril, as restrições para entrada de venezuelanos no País por meios terrestres ou rodoviários. De acordo com uma portaria publicada no Diário Oficial da União, a restrição temporária “considera a declaração de emergência em saúde pública pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e recomendações da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa)”.

A portaria também diz que o Sistema Único de Saúde (SUS) brasileiro não tem capacidade para comportar o tratamento de estrangeiros infectados. As restrições não se aplicam aos funcionários estrangeiros em missão no Brasil, por exemplo. O tráfego do transporte rodoviário de cargas e a execução de ações humanitárias transfronteiriças previamente autorizadas estão liberados, segundo o Ministério da Justiça e Segurança Pública.

Ao menos 50 brasileiros, sendo 38 deles, integrantes da representação diplomática e funcionários de repartições consulares brasileiras na Venezuela, foram repatriados no dia 17 de abril em um voo da Força Aérea Brasileira. A operação foi autorizada pelo presidente Jair Bolsonaro em conjunto com o Ministério das Relações Exteriores e o Ministério da Defesa.

Este boato foi checado por aparecer entre os principais conteúdos suspeitos que circulam no Facebook. O Estadão Verifica tem acesso a uma lista de postagens potencialmente falsas e a dados sobre sua viralização em razão de uma parceria com a rede social. Quando nossas verificações constatam que uma informação é enganosa, o Facebook reduz o alcance de sua circulação. Usuários da rede social e administradores de páginas recebem notificações se tiverem publicado ou compartilhado postagens marcadas como falsas. Um aviso também é enviado a quem quiser postar um conteúdo que tiver sido sinalizado como inverídico anteriormente.

Um pré-requisito para participar da parceria com o Facebook  é obter certificação da International Fact Checking Network (IFCN), o que, no caso do Estadão Verifica, ocorreu em janeiro de 2019. A associação internacional de verificadores de fatos exige das entidades certificadas que assinem um código de princípios e assumam compromissos em cinco áreas:  apartidarismo e imparcialidade; transparência das fontes; transparência do financiamento e organização; transparência da metodologia; e política de correções aberta e honesta. O comprometimento com essas práticas promove mais equilíbrio e precisão no trabalho.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.