Teto de Temer é como meta de Dilma: de vento

Eliane Cantanhêde

01 Agosto 2017 | 09h18

O governo Michel Temer repete Dilma Rousseff e passa vexame depois de mover mundos e fundos para aprovar no Congresso o teto de gastos, contra a oposição e parte da opinião pública e dos especialistas, mas agora, meses depois, já descumpre o próprio teto e se vê obrigado a revê-lo, como noticiou Adriana Fernandes no Estado.

Dilma produziu uma de suas famosas pérolas ao anunciar um programa para micro e pequenas empresas: “nós não vamos colocar uma meta, vamos deixar a meta em aberto. E, quando atingirmos a meta, nós dobramos a meta”.

Temer, agora, está na prática dizendo o seguinte: Nós tínhamos um teto, mas não temos um teto. E, quando atingirmos o teto, nós dividimos o teto.

Com um rombo já estimado em R$ 159 bilhões neste ano, R$ 20 bilhões acima do teto, ou da meta, é bom o governo já se preparar para nova batalha no Congresso: a derrubada do seu próprio teto – sem duplo sentido…