Meirelles no STF

Eliane Cantanhêde

04 de janeiro de 2017 | 12h20

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, já chegou ao Supremo Tribunal Federal E está reunido na hora do almoço com a sua presidente, ministra Carmen Lúcia. A agenda não foi anunciada, mas não custa lembrar que na segunda-feira à noite a ministra concedeu liminar suspendendo o bloqueio de um repasse de R$ 192 milhões da União para o Estado do Rio de Janeiro. A Procuradoria Geral da República decidiu recorrer da liminar e o temor no Planalto e na área econômica é que isso se torne uma bola de neve, favorecendo Estados e prejudicando a União.

Em pleno recesso do Judiciário, Cármen Lúcia está a mil por hora. Além de conceder a liminar favorecendo o Rio e preocupando o governo federal, ela se reuniu hoje mais cedo com o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, para discutir um pacto entre os três Poderes e os Estados que, em resumo, traga para a rotina nacional as ações conjuntas de segurança que foram muito bem sucedidas durante a Copa, a Olimpíada e a Paralimpíada. Esse pacto vem sendo costurado desde outubro, pelo menos, mas ganhou carimbo de urgência diante da chacina do primeiro dia do ano novo em Manaus.

Amanhã, às 6:30, a ministra já amanhece no avião com o primeiro time do CNJ, que ela também preside, para discutir em Manaus com os presidentes dos tribunais regionais de Justiça dos estados do Norte como o Judiciário pode e deve entrar na explosiva questão da segurança pública e do domínio das facções criminosas nas penitenciárias. Devem participar ainda os presidentes do Maranhão e do Rio Grande do Norte, que também enfrentam rebeliões em presídios. Desde sua posse na presidência  do STF, Cármen Lúcia tem dito que essa é uma das suas prioridades e do País.

Tendências: