As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Representantes dos presidenciáveis debatem educação em SP

Apesar do convite ter sido feito a todos os candidatos com mais de 1% das intenções de votos em pesquisas, apenas  PDT, PSDB, REDE, PSOL e PT enviaram representantes para a discussão

eleicao-mais-educacao

23 de agosto de 2018 | 14h03

Talita Nascimento e Victória Abel

Coordenadores de educação das campanhas à presidência da República debateram sobre o tema nesta quarta-feira, 22, na sede do Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária (Cenpec). Apesar do convite ter sido feito a todos os candidatos com mais de 1% das intenções de votos em pesquisas, apenas  PDT, PSDB, REDE, PSOL e PT enviaram representantes para a discussão.

O aumento de investimentos para melhoria do setor, bem como uma possível rediscussão da Reforma do Ensino Médio foram alguns dos pontos mais debatidos. No que toca à Educação Infantil, Ana Maria Diniz (PSDB) retomou a posição de que fora das metrópoles, o cuidado para com essa faixa etária não precisa ser limitado a creches e que os cuidadores de crianças na primeira infância não precisam, necessariamente, ter formação superior.

Durante a conversa, a necessidade de ajuste fiscal foi reiterada por todos os representantes dos partidos, como uma forma de destinar mais recursos financeiros para o ensino em tempo integral, formação e capacitação dos professores.

O Ensino Médio foi ponto de discordância entre os coordenadores. Enquanto André Stabile (REDE), defendeu uma análise crítica da nova base curricular, bem como da Reforma do Ensino Médio, Selma Rocha (PT), defendeu a revogação da Reforma por entender que ela afeta a profundidade científica da formação dos estudantes. Em um contraponto, Ana Maria Diniz mostrou-se favorável aos novos rumos que a mudança trouxe.

A transmissão foi feita pelas redes sociais do Estadão. Os carrapatos do Estadão também estiveram por lá e falaram com os representantes. Assista:

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.