Brasil investe porcentagem alta do PIB em educação, mas pouco por aluno, diz OCDE
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Brasil investe porcentagem alta do PIB em educação, mas pouco por aluno, diz OCDE

Renata Cafardo

11 de setembro de 2018 | 16h52

Em entrevistas, debates e programas de governo, os candidatos à Presidência divergem sobre o investimento do Brasil em educação. Alguns sustentam que o País já coloca na área o mesmo que países desenvolvidos, outros dizem que há dinheiro suficiente, o que falta é uma gestão melhor. E há ainda os que falam que os recursos são insuficientes.

Relatório divulgado nesta terça-feira pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) tenta esclarecer essa confusão. O texto diz que o “Brasil investe relativamente bem em relação ao PIB e também no valor total, mas os gastos por estudante ainda estão muito abaixo do que fazem os países membros da OCDE e parceiros”.

As tabelas do relatório, chamado Education at Glance, comparam os recursos colocados em educação entre os 35 países membros, que são os mais ricos do mundo, e outros 11 considerados parceiros da OCDE, em que se inclui o Brasil.

Lá é possível notar que o Brasil investe 5,5% do PIB em educação, quando a maioria das nações, 5%. Um exemplo é a Alemanha, onde a taxa é de 4% do PIB, abaixo do Brasil.

Mas o PIB da Alemanha é de US$ 3,4 trilhões e o do Brasil, de cerca de US$ 1,7 trilhão.

Já no número de alunos, a proporção se inverte. São cerca de 6,6 milhões de estudantes no ensino básico alemão e 48 milhões no brasileiro, por exemplo.

Por isso, o relatório deixa claro que o Brasil está abaixo da média no valor investido por estudante. Enquanto a Alemanha está acima do que destina a maioria dos membros da OCDE, gastando cerca de US$ 10,8 mil por aluno/ano, o Brasil aparece com cerca de US$ 3,8 aluno/ano. A média da OCDE é US $ 9,4 mil.

foto: Gabriela Biló/Estadão

O que chega para cada aluno brasileiro, na verdade, é um valor comparável ao investido pela Colômbia. E menos que nossos vizinhos argentinos. Esse investimento por aluno inclui salário de professores, construção e manutenção de escolas, livros, merenda, entre outros itens essenciais para a educação.

Lembrando que esses valores não podem ser convertidos para a cotação atual do dólar no País porque são de 2015 (os mais atuais registrados pela OCDE) e são calculados a partir de uma fórmula que permite a comparação mundial.