Na direção certa

Dora Kramer

12 de setembro de 2016 | 18h04

Um achado a forma como a nova presidente do Supremo Tribunal Federal abriu seu discurso de posse: a saudação primeira ao cidadão cuja garantia de direitos e acesso a uma Justiça eficiente, transparente e ciente de que seu compromisso essencial é para com a população. Cármen Lúcia inverteu a ordem dos cumprimentos, deixando as autoridades para um segundo momento, estabelecendo assim sua escala de prioridades.

Já o decano, Celso de Mello, e o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, encarregaram-se da defesa intransigente do combate à corrupção, à denúncia para a “falência do sistema” _ ali representada por Michel Temer, Luiz Inácio da Silva, Renan Calheiros, Fernando Pimentel, entre outros que ouviram muitas e boas _  e alertas aos riscos de interferência nas investigações que vem revelando as entranhas de tradicionais e nefastas transações.

Tendências: