Batom no colarinho

Dora Kramer

23 de maio de 2016 | 07h03

Pode ser só uma impressão, mas a conversa entre o ministro Romero Jucá (Planejamento) e o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado, descrita em gravação publicada hoje na Folha de S. Paulo, é o primeiro, significativo e, a depender da reação, definitivo estrago do governo interino de Michel Temer. Ali não tem escapatória: os dois dão ao impeachment o caráter de salvação para os políticos envolvidos na Operação Lava Jato. Não há outra interpretação possível. Não falam de economia, de crise nem nada. A referida “sangria” a ser estancada, a que se referem, é a Lava Jato.

Refazendo a primeira frase: não é mera impressão, é constatação.