Até onde vai o jogo do passa-adiante na CPI da Covid?

Até onde vai o jogo do passa-adiante na CPI da Covid?

Mário Scheffer

19 de maio de 2021 | 22h54

Ao destacar na CPI sua trajetória na carreira das armas, Eduardo Pazuello pressupôs condição de imutável superioridade. Se o general se achava apto para exercer o cargo de Ministro de Saúde? “Me considero, sim, senhor!”. Se o general teria capacidade de gestão e liderança no combate à pandemia? “É perguntar se a chuva molha!”.

No mesmo dia em que Pazuello se tornou ministro interino, em maio de 2020, sem admitir em que grau era iminente a ameaça que pesava sobre o País, famílias e amigos choravam 700 novas mortes por covid. Sob suas mãos, durante os onze meses que se seguiram, a evolução da pandemia foi cataclísmica. No mesmo dia em que ele deixava o cargo, em março de 2021, mais de três mil pessoas eram sepultadas ou cremadas.

No carteado da CPI, o general reforçou sua plena lealdade ao presidente a quem serviu, mas também pôs em marcha um certo jogo do passa-adiante. Dois ex-titulares do governo, o secretário de Comunicação da Presidência, e o ex-ministro das Relações Exteriores, depuseram antes sobre inações da pasta da Saúde. Agora é Pazuello quem passa.

Um malogro fragoroso vira uma “missão” bem sucedida só porque o governo federal enviou dinheiro para governadores e prefeitos. Na linha do ex-ministro, são os secretários de Saúde, assentados pelo STF, que devem responder pela crise que “não é só sanitária, mas também de trabalho e sustento”. Onde então se chegará? A responsabilidade pelas mortes será de quem morreu?

Para o general, que preocupou-se com uma “quarta onda, de automutilação e suicídio”, o “campo de batalha” de uma epidemia se dá nas enfermarias. O depoente escorregou nas medidas que o país não tomou para controlar a transmissão do vírus.

Entre olhares de incredubilidade, entre ouvidos cansados ou abetumados da nação, tudo, para o ex-ministro, “é simples de entender”, da recusa da compra das vacinas da Pfizer por causa de “cinco cláusulas assustadoras” até a condução criminosa perante o colapso de Manaus.

Churchill, sobre Hitler, dizia que o tirano usava da “originalidade da malícia” e da “engenhosidade da agressão”. Os membros da CPI precisam desde já resolver como pretendem que o relatório do inquérito seja lido no futuro, se será uma peça do engenho em cartaz ou um documento histórico de rigorosa precisão.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.