‘Velha política’ derrota o PSL em São Paulo

‘Velha política’ derrota o PSL em São Paulo

Coluna do Estadão

16 de março de 2019 | 05h00

Gabriela Biló/Estadão

O PSL sofreu ontem na Assembleia- SP sua mais fragorosa derrota política desde quando a onda bolsonarista começou a sacudir o País. Além de a sigla ter ficado de fora da mesa, a vitória de Cauê Macris (PSDB) sobre a candidata Janaina Paschoal na disputa pelo comando da Casa foi marcada por recados e simbolismos. Um experiente parlamentar alerta: o resultado serve de laboratório do que pode ocorrer no plano nacional. Se continuar radical, o PSL ficará isolado dentro dos Parlamentos pelo que convencionou chamar de “velha política”.

220 volts. Foi tensa a estreia de Janaina Paschoal (PSL) ontem como deputada estadual. Ela deu mostras de que adotará o confronto como estratégia.

Na testa. Para dentro da Casa, Janaina colecionou desafetos. Para fora, foi eficiente em bater na aliança entre PSDB e PT. “Não vejo como derrota, vejo como vitória. Fizemos o que a população queria, enfrentar o teatro da democracia.”

Digital first. Janaina postou no Twitter durante quase toda a sessão.

SINAIS PARTICULARES.

Cauê Macris, presidente reeleito da Assembleia de São Paulo

ILUSTRAÇÃO: KLEBER SALES

Até que enfim. Pela primeira vez neste ano, o número de deputados estaduais de SP em plenário bateu com o registro das presenças no placar eletrônico.

De volta à estaca zero. Rodrigo Maia (DEM) se convenceu de que Aguinaldo Ribeiro (PP) não assumirá a relatoria da reforma da Previdência. Acertaram que o deputado será o líder da maioria na Câmara. Devem anunciar na próxima semana.

CLICK. O ministro Tarcísio Gomes de Freitas foi a uma lanchonete em Brasília com representantes de caminhoneiros depois de uma reunião. A foto foi parar nas redes.

TWITTER MARY FONTOURA

Agora… O “previdenciômetro” subiu três pontos porcentuais com a instalação da CCJ e com o alinhamento do presidente da comissão, Felipe Francischini (PSL-PR), com Rodrigo Maia e com o Planalto.

…vai. O “previdenciômetro” foi feito pelo Instituto Ideia Big Data com base em pesquisas de redes sociais, opinião pública, parlamentares e análise política. Ele avalia quais as chances de a reforma da Previdência passar. O índice vai de 0 a 100.

Até tu, Brutus? Um deputado do PSL já está coletando assinaturas para uma frente parlamentar pela previdência dos profissionais de segurança pública.

Alívio imediato. Em Curitiba, réus e acusados pela Lava Jato já começaram a entrar com pedido para terem seus casos remetidos para a Justiça Eleitoral.

Oportunidade. A ação utilizada pela PGR para pedir a suspensão do fundo da Lava Jato deve ser usada para determinar, de maneira definitiva, qual deve ser a finalidade de recursos de corrupção devolvidos.

Como é. Atualmente, juízes e procuradores em primeira instância acabam definindo em muitos casos para onde os recursos vão.

Bolso. Com a sanção do governador João Doria (PSDB) publicada hoje ao reajuste de 4,9%, o salário mínimo paulista supera em quase 15% o piso nacional: R$ 1.163,55 aos trabalhadores da faixa 1 e R$ 1.183,33 aos que fazem parte da faixa 2.

Meio Ambiente. Ricardo Salles lança na semana que vem o Plano Nacional de Combate ao Lixo no Mar, em evento no dia 22, em Santos, no litoral paulista. Haverá uma ação de limpeza no mangue e a inauguração de uma escultura chamada “tubarão-baleia”.

PRONTO, FALEI!

Fábio Motta/Estadã

Marcelo Bretas, juiz federal responsável pela Lava Jato no Rio: “A decisão está tomada e será obedecida. Mas o Ministério Público e a Justiça do Brasil seguirão cumprindo suas missões constitucionais”, sobre decisão do STF.

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG,  JULIANA BRAGA E MARIANNA HOLANDA

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao