Tucanos preparam troco para governador de SP

Tucanos preparam troco para governador de SP

Coluna do Estadão

04 Janeiro 2019 | 05h00

João Doria e Geraldo Alckmin. Foto: Helvio Romero/Estadão

Provocados pelo governador de São Paulo, João Doria, tucanos históricos preparam o troco para evitar que ele tome o controle do partido na convenção de maio. No discurso de posse, Doria mandou um recado indireto às gestões anteriores do PSDB ao dizer que é preciso parar de “pensar pequeno”, acentuando ainda mais a crise interna. Uma das estratégias passa por Geraldo Alckmin se posicionar como candidato ao governo paulista em 2022 em oposição a Doria, atrapalhando os planos do governador de disputar o Palácio do Planalto.

É guerra. As conversas do grupo anti-Doria no PSDB serão retomadas com maior intensidade na próxima semana. Há um encontro agendado entre Alckmin e Alberto Goldman, um dos principais críticos de Doria. Tucanos graúdos ameaçam trocar de sigla caso Doria tome a executiva.

Escanteado. Um dos principais conselheiros de Bolsonaro durante a campanha, o empresário Paulo Marinho – que transformou sua casa em estúdio para as gravações dos vídeos do presidente – não participou da posse. “Não era o caso de ir”, justificou a pessoas próximas.

Engordando… Os secretários estaduais de São Paulo Alexandre Baldy (Transportes Metropolitanos) e Felipe Sabará (Assistência e Desenvolvimento Social) tiveram de doar R$ 200 cada por terem se atrasado na reunião com o governador de São Paulo, João Doria. Os valores vão para entidades carentes.

…o cofrinho. Baldy justificou ao chefe ter saído de Brasília para São Paulo às 5h45, mas a aeronave arremeteu e os voos demoraram. Sabará e Baldy viraram chacota dos colegas por não conseguirem cumprir o horário.

SINAIS PARTICULARES — A SÉRIE

OS NOVOS MINISTROS

Wagner Rosário, Transparência; por Kleber Sales

Minhas regras. Apesar de a equipe técnica de Bolsonaro ter dito a ele que não poderia revogar a nomeação de Carlos Marun para o conselho de Itaipu por se tratar de ato jurídico perfeito, o estatuto da empresa binacional permite a troca.

Sinal verde. O texto diz que “a qualquer momento os governos poderão substituir os conselheiros”. O governo brasileiro tem seis nomes no conselho.

Recalculando. Apoiadores de Rodrigo Maia (DEM) na eleição para a presidência da Câmara admitem que a aliança com o PSL pode fazê-lo perder mais do que ganhar. Os partidos que reprovaram o acordo somam 196 votos. São eles: PDT, PCdoB, PT, PP, MDB, PSB.

Bombeiros. Maia conversa hoje com Gilberto Kassab, do PSD, e Valdemar Costa Neto, do PR, para que o ajudem a contornar a crise com os partidos insatisfeitos. Tanto o PSD quanto o PR apoiam a reeleição de Rodrigo Maia.

CLICK. Errou quem apostou que Carlos ficaria afastado de Bolsonaro por ser vereador. Passou o dia ontem no Planalto. Chegou perguntando pelo “gabinete do meu pai”

Vereador do Rio, Carlos Bolsonaro. Foto: Juliana Braga/Estadão

Novas regras. O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, brincou que iria consultar a Comissão de Ética Pública se poderia aceitar um pacote de 250g de pó de café gourmet que ganhou de uma parlamentar de Minas. A lei proíbe presentes acima de R$ 100.

A postos. Michelle Bolsonaro já tem sua ajudante de ordens: a capitã Larissa Lima. Ela é jornalista e trabalhou na comunicação do Exército. Levantamento da AP Exata mostra que, no dia da posse, 65,93% das menções a Michelle no Instagram foram positivas.

BOMBOU NAS REDES

Deputada federal Jandira Feghali

“Gabinetes foram violados sem comunicação prévia”, sobre seguranças terem entrado nos gabinetes dos parlamentares no dia da posse de Bolsonaro para travar janelas Jandira Feghali – Deputada federal (PCdoB-RJ)

COM REPORTAGEM DE NAIRA TRINDADE E JULIANA BRAGA

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao