TRF mantém prisão de aliado de Geddel no caso do dinheiro na mala

Andreza Matais e Beatriz Bulla

17 de outubro de 2017 | 17h37

 

O Tribunal Regional Federal da 1ª Região decidiu nesta terça-feira manter preso Gustavo Ferraz. Ele teve suas digitais encontradas pela Polícia Federal em parte do material colhido em meio às malas de dinheiro localizadas num apartamento em Salvador e que pertenceriam, segundo os investigadores, ao ex-ministro Geddel Vieira Lima. Os dois estão presos desde o dia 8 de setembro.

A decisão foi tomada por dois a um. Os desembargadores Ney Bello e Rogéria Debelli votaram pela manutenção da prisão. O voto pela soltura foi dado pela desembargadora Mônica Sifuentes. Ela entendeu que a corrupção não era contemporânea a prisão.

O advogado de Gustavo Ferraz, Pedro Machado Almeida Castro, afirmou que “a situação de seu cliente deve ser analisada separadamente dos demais investigados, pois não oferece risco ao processo e à sociedade”. Segundo ele, “não houve distinção no julgamento” da situação de Ferraz na comparação com os demais. (Andreza Matais e Beatriz Bulla)

Tendências: