‘Timing’ de churrasco desagrada até a aliados

‘Timing’ de churrasco desagrada até a aliados

Coluna do Estadão

08 de maio de 2020 | 21h00

Foto: Gabriela Biló / Estadão

O churrasco de Jair Bolsonaro com “pelada” no Alvorada era para ter acontecido no final de semana passado, em comemoração ao aniversário de Flávio Bolsonaro, transcorrido dia 30. Mas acabou adiado e, como a fase é ruim, o “timing” fez gol contra. O anúncio da nova data coincidiu com o momento em que o Brasil se aproximou (e deverá superar) da triste marca de 10 mil mortes oficias pela covid-19. Em privado, aliados do clã viram forte simbolismo negativo no anúncio público da festa e aconselharam o cancelamento da confraternização.

E vai rolar? Até às 21h30 desta sexta, a festa estava mantida para sábado, mas discutia-se sua desidratação ou até mesmo seu cancelamento, após Bolsonaro ter sido alertado de que o timing não é bom: o País superou as 700 mortes diárias.

Deu ruim. Nas redes, as reações foram grandes. “Mais um dia, mais um recorde de brasileiros mortos pela covid-19. De ontem pra hoje, ao menos 751 pessoas perderam suas vidas. Como resposta às famílias das vítimas, o presidente só anuncia churrasco e pergunta ‘e daí?’”, escreveu Alessandro Molon (PSB-RJ).

CLICK. Enquanto o País enfrentava mais um recorde de mortes por covid-19, o churrasco marcado por Jair Bolsonaro repercutia muito mal nas redes sociais ontem.

Reprodução

Diagnóstico… A convite de João Doria, o ex-governador Geraldo Alckmin almoçou no Palácio dos Bandeirantes. Bruno Covas também tomou lugar à mesa.

…tucano. Doria pediu a Alckmin que, com sua experiência como médico e principalmente, ex-governador, avaliasse a condução da crise pelo governo paulista: no caminho certo, sem chance de flexibilizar a quarentena neste momento e com atenção redobrada às periferias.

Xi… O super rodízio de Covas contra a covid-19 ganhou o apelido na Câmara de “jabuticaba”: só tem no Brasil. Precisa ver se dará certo como a fruta…

SINAIS PARTICULARES.
Bruno Covas, prefeito de São Paulo

Ilustração: Kleber Sales

Vai dar. Líderes de partidos independentes avaliam que haverá consenso para votar a MP da regularização fundiária na semana que vem. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), ainda não incluiu a medida na pauta, mas as negociações seguirão a pleno vapor durante o fim de semana. Conforme mostrou a Coluna nesta semana, a MP é fonte de grande disputa.

Help! Não está fácil para ninguém. Já são seis os Estados que pediram ajuda das Forças Armadas para combater o coronavírus: Amapá, Roraima, Acre, Santa Catarina, Piauí e Ceará.

Luz… Em mensagem enviada a grupos empresariais, José Ricardo Roriz Coelho (Abiplast) afirmou que o objetivo do encontro dos empresários com Jair Bolsonaro foi a busca de uma ação organizada de tirar o País do caos atual.

…no fim… “Se não arrumarmos a casa, com crédito chegando na ponta, e planejarmos de forma previsível um retorno que preserve a saúde das pessoas e não deixe as empresas médias e pequenas morrerem, será um desastre”, diz.

…do túnel. De acordo com Roriz, será preciso “convergência” e entendimento entre os Poderes. “Foi isto que levamos ao governo e ao Supremo.”

Ok. Com o controle rígido de entrada no País, 280 estrangeiros, funcionários da Petrobrás, foram autorizados a desembarcar no Brasil nesta semana. Eles deverão ser testados e terão que seguir regras rígidas para comprovar que não estão infectados.

PRONTO, FALEI! 

Foto: Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

Marcos Pereira, deputado federal (SP), presidente do Republicanos: “Com o dólar nas alturas, ninguém vai nem para Foz do Iguaçu. Vai todo mundo continuar em casa”, sobre Paulo Guedes ter debochado da alta do dólar.

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG, MARIANA HAUBERT E MARIANNA HOLANDA

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.