Terceira denúncia contra Temer é tratada como improvável na PGR

Terceira denúncia contra Temer é tratada como improvável na PGR

Andreza Matais

19 de abril de 2018 | 14h49

A possibilidade de a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, apresentar uma terceira denúncia contra o presidente Michel Temer até o fim do ano é tratada como improvável entre seus colegas. São dois os motivos. O Inquérito dos Portos é recente, foi aberto em setembro, e não vai furar a fila de mais antigos envolvendo outros políticos. E qualquer atitude apressada fará com que o Congresso rejeite a nova denúncia.

A Câmara dos Deputados já impediu o Supremo de processar o presidente duas vezes com base em pedidos do antecessor de Dodge, o subprocurador Rodrigo Janot. Nas duas ocasiões, Temer era suspeito de ter favorecido o empresário Joesley Batista, que delatou esquema de propina envolvendo o governo. Desta vez, o presidente é suspeito de ter editado um decreto para beneficiar empresas que operam no porto de Santos em troca de propina. O presidente nega envolvimento nos casos. (Andreza Matais)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.