‘Temos a liberdade de discordar do Moro? Podemos fazê-lo?’, reclama deputado

‘Temos a liberdade de discordar do Moro? Podemos fazê-lo?’, reclama deputado

Juliana Braga

19 de setembro de 2019 | 19h00

Ministro Sérgio Moro. FOTO: DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

Durante reunião do Grupo de Trabalho do Pacote Anticrime nesta quinta-feira, 19, o deputado Fábio Trad (PSD-MS) fez um desabafo sobre a dificuldade de discordar do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro. Segundo ele, há sempre um “açoite” da opinião pública e um desconforto dos parlamentares em ir contra suas opiniões.

“Não é fácil discordar do ministro Moro. Isso é para poucos. Porque o ministro Moro é uma usina de emoções, é uma usina emocional. Ele encarna hoje valores que também nós queremos consolidar e fortalecer”, afirmou.

Em seu pronunciamento, Trad afirma ainda que o ministro nem sempre está com a melhor “razão jurídica” e os deputados se encontram em um dilema. “Temos a liberdade de discordar dele? Podemos fazê-lo? Porque caso contrário, nós vamos aqui, enquanto Parlamento, ficar sempre com aquele tição, quer dizer, com aquela ameaça: ‘Faça sempre como o ministro Moro, caso contrário a opinião pública vai te açoitar’. E a independência do Parlamento fica comprometida”, desabafou.

Veja o vídeo:

O GT do Pacote Anticrime reuniu-se novamente nesta quinta-feira para tentar concluir a análise de pontos polêmicos como a criação do juiz de garantias e excludente de ilicitude. A deputada Carla Zambelli (PSL-SP), da base do governo, deixou o colegiado afirmando que o projeto foi desconfigurado. Sem consenso, a finalização dos trabalhos foi adiada para a próxima semana. (Juliana Braga)

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

Tendências: