Em jantar, Temer pede a emedebistas que defendam o governo

Em jantar, Temer pede a emedebistas que defendam o governo

Naira Trindade, Leonel Rocha e Julia Lindner

17 de abril de 2018 | 19h37

 

O presidente Michel Temer jantou com a bancada do MDB no restaurante Figueira da Villa, na Vila Planalto, em Brasília, região muito frequentada por petistas. Eram aguardadas cerca de 50 pessoas no jantar. O ex-presidente Lula costumava almoçar no restaurante da Tia Zelia, na vila.

O ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, explicou que o presidente vem fazendo uma rodada  de conversas com deputados da base aliada. Já se reuniu com parlamentares do PR, do PP e agora se encontra com emedebistas.

 

Quando Temer chegou ao restaurante, ainda não tinha deputado. Eles estavam no plenário e foram chegando aos poucos. Só 5 senadores o aguardavam. Aliás, ainda no plenário do Senado, os emedebistas Renan Calheiros e Roberto Requião avisavam a quem perguntava que não tinha sido convidados para o evento.

No jantar, Temer evitou comentar sobre uma eventual terceira denúncia da Procuradoria-Geral da República. A única vez que mencionou a investigação contra ele foi para dizer que a frase “tem que manter isso aí” fora usada de forma descontextualizada.

O presidente também fez um apelo aos deputados para que defendam as bandeiras do governo. Pontuou a reforma do ensino médio, a emenda que limita os gastos da União e a geração de 2 milhões de empregos como ações de seu governo. “Nós temos o que dizer”, discursou.  (Naira Trindade, Leonel Rocha e Julia Lindner)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.