Temer fará pronunciamento e vai questionar validade de áudios de delação de Joesley

Temer fará pronunciamento e vai questionar validade de áudios de delação de Joesley

.

Marcelo de Moraes e Andreza Matais

20 de maio de 2017 | 10h59

Foto: Dida Sampaio/Estadão

O presidente Michel Temer vai fazer novo pronunciamento à nação neste sábado,  para voltar a se defender da acusação de envolvimento em irregularidades, relatadas na delação premiada do empresário Joesley Batista, da JBS. A Coluna apurou que ele deve falar sobre a perícia na gravação feita por Joesley que levantou suspeita de enxerto de ruídos e cortes. Essa será a principal linha de defesa do governo.

A gravação foi feita por Joesley e entregue como prova de sua delação premiada. A PGR não periciou o material nem mesmo a Polícia Federal, que só entrou no caso dia 10 de abril quando acionada pelo STF.   Nela, Temer e Joesley conversam sobre vários assuntos. O empresário conta ao presidente, por exemplo, que comprou um procurador da República para ter informações privilegiadas da Lava Jato. Temer não repreende Joesley. Ele também relata que está cuidando bem de Eduardo Cunha e Lucio Funaro, ambos presos. Esse é um dos trechos mais polêmicos. O procurar-geral Rodrigo Janot diz que Temer concordou com pagamento de mesada dada por Joesley para que os dois não delatassem. Mas a gravação não deixa isso claro. Na maioria das vezes, a fala de Temer é inaudível.

Depois que o procurador geral da República, Rodrigo Janot, pediu abertura de inquérito, que foi aberto pelo Supremo Tribunal Federal, pelos crimes de corrupção, organização criminosa e obstrução de Justiça, Temer consultou seus auxiliares mais próximos e passou a avaliar que seria importante se defender mais uma vez.

O presidente está no Palácio do Alvorada nesse momento e discute qual será o melhor momento para falar.

Siga a Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao

Tudo o que sabemos sobre:

Temer

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.