Temer diz que manterá os ministros tucanos

Temer diz que manterá os ministros tucanos

Coluna do Estadão

18 de julho de 2017 | 05h30

Foto: Dida Sampaio/Estadão

O presidente Michel Temer não vai retirar ministérios ou cargos dos tucanos, apesar de o PSDB demonstrar cada vez menos fidelidade ao seu governo. Em busca de votos para derrubar a denúncia apresentada pela PGR contra ele, o presidente avisou aos aliados que não vai punir os tucanos. Até porque avalia que os quatro ministros do partido estão completamente alinhados com as posições do Palácio do Planalto. Fragilizado politicamente e precisando tirar a denúncia da PGR do seu caminho, o presidente não quer briga com nenhum aliado.

Vem comigo. A aliados, Michel Temer avisa: não vai tirar cargos de traidores. Pelo contrário, o momento é de reaproximação. A estratégia é chamar para conversar e reunificar a base.

Vem cá. Na intenção de melhorar o clima e desfazer qualquer animosidade com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), o presidente Michel Temer mandou chamar caciques do PSDB e do DEM para reuniões esta semana no Palácio do Planalto.

Joga junto. Temer quer que ministros dos dois partidos atuem numa força-tarefa para aparar as arestas na relação com Maia.

Vou pra casa. Autor da polêmica “emenda Lula”, Vicente Cândido diz que não será beneficiado pela proposta que proíbe prisões de candidatos oito meses antes da eleição porque decidiu que não vai mais disputar o pleito de 2018.

Frustração. Vicente Cândido diz que está decepcionado por não conseguir mudar as regras para as caras campanhas. Em tempo, Cândido também diz não ter quórum para recuar da “Emenda Lula”.

SINAIS PARTICULARES – VICENTE CÂNDIDO
ILUSTRAÇÃO KLÉBER SALES

 

Como um relâmpago. Foi expressa a passagem pelo Senado de Gilberto Carvalho, ex-ministro de Dilma Rousseff e ex-chefe de gabinete de Lula. Cinco meses depois, deixa o posto de assessor parlamentar.

Tchau, querido. Carvalho recebia salário mensais de R$ 15,7 mil e sua saída foi publicada ontem no Diário Oficial do Senado.

Nasceu. Ana Seleme, mulher de Rodrigo Rocha Loures, deu a luz a filha do casal na sexta-feira.

Contra a parede. Raquel Dodge espera receber até amanhã, 19, as respostas sobre as 40 indagações ao orçamento formulado pelo procurador-geral Rodrigo Janot. Entre as questões, ela quer discriminadas todas as previsões de despesas de 2018.

Alto custo. A nova procuradora quer saber, inclusive, se as despesas de auxílio-moradia estão no limite de pagamentos do MPF e quais as novas despesas assumidas por Janot que ela terá de arcar em 2018.

Vai levando. O prefeito João Doria recebeu pesquisa feita pelo Ipespe, mostrando que a aprovação de seu mandato permanece alta, com 62%. Mas, após sete meses de mandato, começa a registrar ligeira queda em relação a março, quando era de 66%.

CLICK. O vice-prefeito de São Paulo, Bruno Covas, mostra o novo Centro Temporário de Acolhimento (CTA) para moradores de rua. Ele entregou equipamentos.

Foto: Facebook Bruno Covas

Recursos. Em conversa com o secretário estadual da Casa Civil, Samuel Moreira, o deputado Luiz Lauro Filho (PSB-SP), topou apoiar pedido do governo para que uma antiga emenda, que já tem R$ 92 milhões liberados, seja usada para a compra de trens para o metrô de São Paulo.

PRONTO, FALEI!

“Onde se reduziu pobreza, se metade da população está vivendo com menos de um salário mínimo?”, OSMAR TERRA, ministro do Desenvolvimento Social, sobre a redução da pobreza que teria havido em governos do PT.

 

Siga a Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao

Mais conteúdo sobre:

Michel TemerPSDBministros tucanos