Temer decide trocar Osmar Serraglio da Justiça por Torquato Jardim

Serraglio foi convidado para assumir a pasta da Transparência

Andreza Matais

28 de maio de 2017 | 13h35

 

Torquato Jardim, novo ministro da Justiça. Foto: André Dusek/Estadão

 

O presidente Michel Temer decidiu substituir o ministro da Justiça, Osmar Serraglio. As conversas sobre a escolha do sucessor ocorreram neste domingo. O novo ministro será o chefe do Ministério da Transparência, Fiscalização e Controle, Torquato Jardim. Serraglio será transferido para a vaga de Torquato.

Segundo fontes do Planalto, Serraglio aceitou ir para o Ministério da Transparência. Foram dadas a ele essas duas opções – o lugar de Torquato ou voltar para a Câmara.

Após a Coluna revelar a troca, o Palácio do Planalto divulgou nota confirmando a informação. Leia a nota: “O Presidente da República decidiu, na tarde de hoje, nomear para o Ministério da Justiça e Segurança Pública o Professor Torquato Jardim. Ao anunciar o nome do novo Ministro, o Presidente Michel Temer agradece o empenho e o trabalho realizado pelo Deputado Osmar Serraglio à frente do Ministério, com cuja colaboração tenciona contar a partir de agora em outras atividades em favor do Brasil”.

A saída de Serraglio do Ministério da Justiça teria como efeito imediato retirar o mandato do deputado afastado Rocha Loures (PMDB-PR). Isso porque ele é suplente de Serraglio, que retomaria a vaga. Loures foi filmado recebendo uma mala com R$ 500 mil de um emissário de Joesley Batista. O governo, contudo, evita esse esse cenário ao nomear Serraglio para outro ministério.

O STF avalia pedido da PGR de prisão de Loures, que não descarta fazer delação premiada. Segundo a delação de Joesley Batista, foi o presidente Temer quem pediu para que Joesley procurasse Loures para resolver problemas do grupo J&F. Foi após essa ordem que Loures recebeu a mala de dinheiro.

Serraglio é alvo de críticas no governo desde que assumiu o Ministério da Justiça. Ele é considerado um ministro muito congressual, com nenhuma interlocução no poder Judiciário. Tudo o que o presidente  Temer precisa neste momento em que passou a ser investigado pelo STF pelos crimes de corrupção, obstrução de Justiça e formação de quadrilha. O inquérito foi aberto em decorrência da delação premiada de Joesley Batista. Torquato Jardim teria mais interlocução no STF e teria mais pulso para interferir no comando da PF.

A Polícia Federal é subordinada ao Ministério da Justiça. O senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG) em conversas gravadas por Joesley Batista defendeu a troca de Serraglio por considerar que ele não tinha pulso para interferir nos trabalhos da PF para direcionar delegados que irão investigar determinados políticos.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.