Temer chama atenção de aliado por publicações no Twitter

Temer chama atenção de aliado por publicações no Twitter

Luiza Pollo

16 Janeiro 2018 | 05h30

Foto: Ueslei Marcelino/Reuters

As críticas do chefe de gabinete da Presidência em São Paulo, Arlon Viana, ao ministro Henrique Meirelles (Fazenda) e ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), foram mal recebidas no governo. O presidente Michel Temer ligou para seu assessor, desmentiu ser candidato ao Planalto e cobrou mais discrição. Pelo Twitter, Viana havia classificado Maia como “um presidente razoável” e Meirelles como um “bom economista”, como mostrou a Coluna ontem. Viana tentou amenizar a repercussão negativa alegando se tratar de “brincadeira”.

Calma, gente. O chefe de gabinete confirmou, à Coluna, ter recebido reclamações pelos posts polêmicos.

Pegou mal. Amigo de Temer há 18 anos, Viana apagou um dos comentários. Em seguida, porém, postou considerar Maia “ótimo presidente e Meirelles, excelente economista, como diriam Filinto Müller e Mário Henrique Simonsen.”

Outras searas. Filiado ao MDB há 40 anos, Viana também já defendeu Lula nas redes sociais. “Tirar de Lula o direito de disputar eleição é indigno e insulto à democracia. Não votarei nele em 1.° turno, votarei em 2.° turno, se me forem permitidas as circunstâncias.”

Estratégia. O governador Geraldo Alckmin (SP) tem seguido à risca o conselho de usar as redes sociais para divulgar fotos da família. A regra é falar menos da corrida ao Planalto e buscar cliques espontâneos até de eleitores mais insensíveis.

Partidos renovados. O presidente do PPS, Roberto Freire, começa hoje rodada de conversas com novas frentes interessadas em participar das eleições em outubro, como os movimentos Livres, Agora!, Roda Democrática, Acredite e RAPS.

Novo aliado. O governador de Sergipe, Jackson Barreto, tem sido pressionado pela cúpula do MDB a aceitar a filiação do líder do governo no Congresso, André Moura (PSC), e apoiá-lo na disputa ao governo. Irritado, Barreto ameaça trocar o MDB pelo Podemos.

Pra já. A Boeing quer acelerar as negociações para comprar parte da Embraer ainda em janeiro. Pretende fechar o negócio antes do período eleitoral.

Economia. O STF enxugou as despesas de 2017 em R$ 60 milhões. A execução orçamentária do ano passado foi de 98,67% dos R$ 579,4 milhões estabelecidos pela PEC do Teto de Gastos. A Corte também comemorou redução de R$ 4 milhões com o custeio de pessoal.

Por toda parte. Na intenção de nacionalizar o julgamento do ex-presidente Lula, o PT instalou 900 comitês de apoio pelo País. A ideia é ter bases em pontos estratégicos para receber militantes que vão acompanhar à distância a decisão do TRF-4, em Porto Alegre.

CLICK. Líder do governo no Senado, o senador Romero Jucá (MDB-RR) comemorou, ao lado de agente armada, a compra de pistolas para a guarda civil de Boa Vista.

Foto: TWITTER Romero Jucá

 

 

Passos lentos. A caminhada de Temer com quatro ministros, no último domingo, durou pouco mais de 11 minutos. É que o trecho entre o Alvorada e o Jaburu é curto, tem 1,6 quilômetro, sendo 3,2 quilômetros de ida e volta.

Sinais Particulares: Michel Temer, presidente da República; Ilustração de Kleber Sales

Confirmado. Contra a vontade de integrantes do Ministério do Meio e Ambiente, o Diário Oficial da União de hoje traz a nomeação dos três diretores da Agência Nacional de Águas: Christianne Dias Ferreira, Marcelo Cruz e Oscar de Moraes Cordeiro Netto.

PRONTO, FALEI!

Foto: Dida Sampaio/Estadão

“Todo mundo sabe que o PSDB terá candidato próprio ao governo de São Paulo”, DO LÍDER DO PSDB NA CÂMARA, RICARDO TRIPOLI (SP), sobre a pressão do vice Márcio França (PSB) pelo apoio da sigla à sua candidatura.

COM NAIRA TRINDADE (editora interina) E REPORTAGEM DE LEONEL ROCHA E ISADORA PERON. COLABOROU RAFAEL MORAES MOURA

Siga a Coluna do Estadão:
Twitter:
 @colunadoestadao
Facebook:
 facebook.com/colunadoestadao
Instagram:
 @colunadoestadão