TCU fará devassa em contratos da Codesp com Rodrimar

TCU fará devassa em contratos da Codesp com Rodrimar

Coluna do Estadão

30 Maio 2018 | 05h30

FOTO JOSE PATRICIO/ESTADÃO

Os auditores do Tribunal de Contas da União em São Paulo foram autorizados a fazer uma devassa em todos os contratos da empresa Rodrimar com a Companhia Docas de São Paulo (Codesp). A fiscalização terá como foco atos de gestão do Porto de Santos. A ação correrá em paralelo à Operação Skala, que investiga se um decreto assinado pelo presidente Michel Temer beneficiou a empresa privada em troca de propina. Relatórios de outras investigações do TCU sobre o decreto já foram compartilhados com o delegado Cleyber Malta Lopes.

No escurinho. A “auditoria de conformidade”, nome técnico para a devassa que será feita nos contratos da Rodrimar com a Codesp, foi autorizada pelos ministros do TCU na semana passada e corre em sigilo.

Furou a greve. O presidente Michel Temer abriu espaço na agenda ontem para tratar com seu advogado, Antonio Mariz, sobre o Inquérito dos Portos. A informação foi revelada pelo G1. A assessoria do Planalto disse que não acompanhou o presidente no aeroporto, onde ele teria se reunido com a defesa.

Vai doer. As concessionárias de rodovias estaduais aguardam a greve acabar para fazer o cálculo da queda de receita provocada pela greve dos caminhoneiros. Caiu muito a arrecadação com pedágios.

Sobrou. O presidente da ABCR, o ex-senador César Borges, que representa as concessionárias, diz que a preocupação maior é com a MP que isenta a cobrança do eixo suspenso. Cálculo inicial indica perda de R$ 600 milhões por ano.

Deixa quieto. O Planalto orientou a equipe econômica a não mexer com os governadores depois que os Estados rejeitaram a proposta para mudar o ICMS do combustível. Como reflexo, a Fazenda desistiu de soltar nota ontem sobre reunião do Confaz.

Pimenta nos olhos… Ao receber a visita de seis deputados federais, o ex-presidente Lula disse que o governo não consegue acabar com a greve porque Temer não tem base social para dialogar, ao contrário dele.

Azarado. Desde que assumiu o Ministério das Minas e Energia, Moreira Franco vai para a terceira crise: privatização da Eletrobrás, greve dos caminhoneiros e, agora, a dos petroleiros.

SINAIS PARTICULARES: Moreira Franco, ministro das Minas e Energia; por Kleber Sales

A conferir. O PSOL decide hoje de manhã se vai pedir a cassação do mandato do deputado Nelson Meurer (PP-PR) no Conselho de Ética da Câmara. Ele foi condenado ontem pelo Supremo a 13 anos de prisão e pode ser o quarto deputado preso nesta legislatura.

Mais um. Meurer engorda a lista do presidente Rodrigo Maia, que precisa decidir o que fazer com o mandato dos deputados presos Paulo Maluf, Celso Jacob e João Rodrigues.

CLICK. O deputado Fábio Ramalho colocou cartaz em seu gabinete: “Governo federal não cumpre acordos”. Temer prometeu R$ 250 mi para MG, mas não mandou.

FOTO: NAIRA TRINDADE

Tá na mão. O bloco formado por DEM, PP, PR e PRB já redigiu a ação para pedir ao TSE que adie para a partir de 2020 a destinação de 30% da verba do fundo eleitoral para mulheres. Porém, decidiu que só vai agir caso PSDB, MDB e PT apoiem a iniciativa.

Não era piada. Depois de receber o aval do empresário Josué Gomes, o PR decidiu fazer uma pesquisa para consumo interno colocando-o como opção à Presidência da República. A bancada alega que ninguém é candidato a vice.

PRONTO, FALEI! 

Foto: Felipe Rau/Estadão

“Temer preferiu quebrar a cara do que chamar quem podia ajudar”, DO DEPUTADO PAULINHO DA FORÇA (SD-SP), sobre o presidente não ter pedido sua ajuda para contornar a greve dos caminhoneiros.

COM REPORTAGEM DE NAIRA TRINDADE. COLABORARAM RAFAEL MORAES MOURA E ADRIANA FERNANDES

Coluna do Estadão:
Twitter:
 @colunadoestadao
Facebook:
 facebook.com/colunadoestadao
Instagram:
 @colunadoestadão