Tarcísio diz a aliados que não quer explorar religião em sua campanha

Tarcísio diz a aliados que não quer explorar religião em sua campanha

Mariana Carneiro, Julia Lindner e Gustavo Côrtes

03 de julho de 2022 | 05h01

Tarcísio de Freitas (Republicanos) pediu parcimônia à sua equipe ao abordar a religião em atos de pré-campanha. O ex-ministro não quer repetir episódios como aquele em que orou de joelhos ao lado do ex-senador Magno Malta e acusou a esquerda de “negar Cristo”, durante convenção de conservadores organizada por Eduardo Bolsonaro (PL-SP). Embora esteja filiado a um partido ligado à Igreja Universal e tenha aliados de peso no segmento religioso, Tarcísio tem dito que não quer explorar ostensivamente a fé em sua campanha. Segundo relatos, ele evita falar ao microfone durante cultos e missas aos quais comparece, mas nos bastidores mantém interlocução com lideranças religiosas. O candidato se declara católico fervoroso.

O ex-ministro Tarcísio de Freitas no programa Roda Viva, da TV Cultura Foto: Reprodução/TV Cultura

Pronto, falei! Oriovisto Guimarães, senador (Podemos-PR)

“Temos menos de 100 mil taxistas e mais de um milhão de operadores de aplicativo. Politicamente, foi um tiro no pé”, disse, sobre benefícios da PEC Kamikaze.

Click, Bia Kicis, deputada federal (PL-DF)

Postou nas redes sociais foto anunciando a entrega de tratores e câmaras frias comprados com recursos da Codevasf, empresa controlada pelo Centrão.

 

Tudo o que sabemos sobre:

Tarcísio de FreitasEleições 2022

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.