Takayama diz que Bolsonaro não é obrigado a nomear indicados dos evangélicos

Takayama diz que Bolsonaro não é obrigado a nomear indicados dos evangélicos

Coluna do Estadão

29 Novembro 2018 | 13h36

Deputado Takayama, presidente da Frente Evangélica

O presidente da bancada evangélica na Câmara, deputado Takayama (PSC-PR), nega pressão por cargos no governo do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL). Depois de indicar nomes para ocupar os ministérios da Cidadania, Educação e Minas e Energia, todos rejeitados por Bolsonaro, Takayama afirmou que “a indicação não está sendo feita com o intuito de obrigar o Presidente a nomeá-los, mas sim de contribuir com excelentes nomes que certamente cumprirão com suas atividades de forma extraordinária”. Para complementar: “Não estamos a barganhar cargos, muito embora entendamos que a composição de um quadro técnico e preparado auxiliará na nova forma de governar, neste sentido estamos unidos e atentos às escolhas do Presidente”.

A Coluna revelou hoje que a bancada está insatisfeita com o tratamento recebido pelo governo. Nos bastidores as críticas são muitas. Um deputado resumiu que Bolsonaro foi eleito graças aos votos dos evangélicos e que o colegiado tem bancada maior do que a do MDB, contemplado ontem com a pasta da Cidadania, que será comandada pelo deputado Osmar Terra. O ministério era pleiteado pelos evangélicos. (Andreza Matais)