“Suspender investimentos na área de saneamento é desrespeito”, diz Maia

Andreza Matais

31 Janeiro 2018 | 12h37

Foto: Dida Sampaio/Estadão

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), criticou nesta quarta-feira, 31,  a decisão do governo de suspender os empréstimos da Caixa para estados e municípios sem “preparar o dia seguinte”.

“Eu entendo a necessidade de se reorganizar a Caixa, mas o que vai colocar no lugar? É preciso se preocupar com o impacto na vida das pessoas no dia seguinte. Faltou ao governo do Michel essa preocupação do dia seguinte”, disse.

“Suspender investimentos na área de saneamento é um desrespeito com as pessoas mais pobres. Na hora que suspende a gente tem que dizer para a sociedade, para a pessoa mais simples que o filho dela vai continuar no valão do esgoto”, complementou.

A Caixa anunciou na última sexta a suspensão provisória dos repasses devido após aprovar o novo plano de capitalização, que descartou o uso de recursos que seriam emprestados pelo Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

Maia usou o mesmo raciocínio para comentar o aumento no preço da gasolina. “A decisão correta de caminhar para o preço internacional do gás gerou impacto na vida das pessoas. “As pessoas têm coração, estão desempregadas, pagam conta. Na hora que você pega um produto tem que se compensar essa parte da sociedade. Isso falta muitas vezes para a tecnocracia. Não desse governo, mas de todos.”

Maia, que teve seu quinto filho nesta madrugada, não interrompeu a agenda. Ele participou na manhã de hoje de evento na Associação Brasileira de Relações Institucionais e Governamentais (Abrig), onde falou sobre a reforma da Previdência e suas prioridades para este ano. Na ocasião, prometeu pautar ainda em março o projeto que regulamenta o lobby no País, demanda da entidade.  (Andreza Matais)

Mais conteúdo sobre:

Rodrigo MaiasaneamentoCaixa