Sucessão no comando do Congresso preocupa o Supremo

Sucessão no comando do Congresso preocupa o Supremo

Coluna do Estadão

22 de junho de 2020 | 05h00

Presidentes da Câmara, Rodrigo Maia, e do Senado, Davi Alcolumbre. FOTO: DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

Quem conhece bem as relações entre Supremo e Congresso diz que, neste momento, a maioria da Corte sonha em ter Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre no comando da Câmara e do Senado, respectivamente, também a partir de fevereiro de 2021. Por quê? Por entender que ambos têm conduzido as Casas com a moderação, a responsabilidade e a autoridade exigidas pelos tempos atuais. Há também um fator preocupante: ainda não surgiram alternativas “confiáveis” de sucessão à dupla do DEM, principalmente na Câmara, onde o Centrão impera.

Destinos… É consenso no meio político que o futuro do mandato de Jair Bolsonaro deverá passar pelos presidentes da Câmara e do Senado a partir de 2021.

…cruzados. Seja porque Rodrigo Maia tem dito que não pretende aceitar os pedidos de impeachment contra o presidente, seja porque, mesmo se ele mudar de ideia, é pouco provável que um eventual processo termine ainda este ano.

Relax. Uma vez mantido no comando da Câmara em 2021, porém, Maia poderia se sentir mais à vontade, digamos, para conduzir do começo ao fim o impeachment de Bolsonaro, avalia quem conhece bem o atual presidente da Casa.

Registre-se. Rodrigo Maia rechaça a possibilidade de permanecer no cargo.

Ativo. Dos nomes hoje cotados (e com alguma chance vitória) para ocupar a presidência da Câmara, Baleia Rossi (MDB-SP) é visto como o mais arredio à ideia de passar pano para o presidente caso Bolsonaro continue vivendo perigosamente em sua conturbada relação com a Carta.

CLICK. Jair Bolsonaro, em justa homenagem, foi a velório de paraquedista morto em um acidente. O presidente ainda não fez gesto semelhante às vítimas da covid-19 no País.

FOTO: WILTON JUNIOR/ESTADÃO

Corpo. Cresceu o movimento de dirigentes do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp) contra a mudança no estatuto da entidade. “Nossos representantes devem preservar a imagem e reputação da instituição, arduamente construída durante 92 anos”, diz carta divulgada pelo Ciesp de Ribeirão Preto.

Tradução. Na prática, a carta, assinada por 20 conselheiros, se opõe a uma eventual tentativa de nova reeleição de Paulo Skaf no ano que vem.

Passaporte. Uma das apostas da reestruturação da Segurança Pública na gestão de André Mendonça será investir na capacitação acadêmica. O ministro pretende dar bolsas de pós-graduação no exterior a policiais brasileiros. A maior parte das pesquisas sobre o tema hoje é feita por ONGs que não têm recortes alinhados aos do governo.

Passaporte 2. Recentemente, Mendonça esteve com o embaixador da Espanha, Fernando García Casas. Está em andamento um acordo para bolsas aos policiais do governo com a Universidade de Salamanca, onde o próprio ministro fez mestrado e doutorado.

SINAIS PARTICULARES
André Mendonça, ministro da Justiça e Segurança Pública

ILUSTRAÇÃO: KLEBER SALES/ESTADÃO

Atento. Tiago Ribeiro, especialista em marketing digital, alerta para um provável aumento no volume de fake news e de robôs na eleição deste ano: “O ideal será ter uma equipe só para checagem do que está sendo veiculado”. Ele participará de hoje até quarta-feira do Congresso de Marketing Político Digital 4.0, evento gratuito e online.

BOMBOU NAS REDES!

Sérgio Moro. FOTO: ADRIANO MACHADO/REUTERS

Sérgio Moro, ex-ministro da Justiça: “Mais de 50.000 vítimas (mortes) pelo novo coronavírus. Muito triste. Cuidem-se. Lembro que já tivemos Ministro da Saúde (Henrique Mandetta).”

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG E MARIANNA HOLANDA

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.