STF não recua e busca apoio da opinião pública

STF não recua e busca apoio da opinião pública

Coluna do Estadão

20 de março de 2019 | 05h00

Ministro Dias Toffoli, presidente do Supremo. FOTO: DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

O presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Dias Toffoli, vai buscar o apoio da opinião pública para seu enfrentamento contra notícias fraudulentas e campanhas virtuais difamatórias. Em seus discursos, ele passará a lembrar que o ataque às reputações não se restringe ao Judiciário: alcança personalidades, jornalistas, veículos e até mesmo jovens que têm sua privacidade exposta nas redes. O inquérito, relatado por Alexandre de Moraes, incluirá ainda uma denúncia feita por meio da Central de Atendimento ao Cidadão da Corte.

Old news. É velho o vídeo que circulou no WhatsApp no fim de semana com ataque direto ao Congresso e ao STF e foi parar nas mãos de Rodrigo Maia e Toffoli. O autor é o publicitário Eugênio Mohallen.

Eu, não. À Coluna, Mohallen disse que não foi ele quem botou de novo no circuito o vídeo. Segundo o publicitário, em 2016, Joice Hasselmann ajudou a bombar a curta peça satírica.

Ação. O vereador Camilo Cristófaro (PSB) foi condenado a indenizar em R$ 50 mil João Doria por danos morais e uso indevido de imagem em um vídeo que associava o governador a Hitler. A defesa do parlamentar diz que recorrerá.

Ué?. O general Floriano Azevedo e Silva estranhou a declaração de Maia de que os militares chegaram no “final da festa”. “Não temos tempo para estar no início nem no final de festas”, disse à Coluna. As reuniões entre ambos haviam transcorrido sem ruídos.

Fake. A Defesa estranha a rapidez com que informações falsas foram divulgadas sobre a reforma. Os maiores porcentuais de reajuste serão para os praças, não para generais, alega.

Pirâmide. Projeto que será enviado ao Congresso prevê o aumento do porcentual de trabalhadores temporários nas Forças, dos atuais 55% para até 60%. Por servirem no máximo oito anos, eles não se aposentam como militares.

Help. Floriano Amorim ouviu ontem no Planalto, dos deputados do Novo Paulo Ganime (RJ) e Vinicius Poit (SP), dicas de como ajustar a comunicação sobre a Nova Previdência.

Receita. Poit listou três frentes: focar no discurso emotivo, priorizar redes sociais e ações para criar “buzz” (frisson) e colocar mais Bolsonaro em ação.

SINAIS PARTICULARES
Major Vítor Hugo, líder do governo na Câmara (PSL-GO)

ILUSTRAÇÃO: KLEBER SALES

Meia… Na reunião da CCJ de ontem ficou acertado que o ministro Paulo Guedes será convidado a explicar a reforma aos deputados na próxima terça-feira. O pleito era da oposição, inicialmente, mas foi encampado por todos os partidos no colegiado.

…derrota. Sem líder de governo, do PSL ou qualquer outro representante do Planalto na reunião, coube ao presidente da CCJ, Felipe Francischini, negociar com os parlamentares para evitar o desgaste de uma convocação. Guedes será apenas “convidado”.

CLICK. Henrique Mandetta (ministro da Saúde) mostra hoje na Câmara aplicativo que notifica deputados sobre as emendas empenhadas e pagas. Já pode ser baixado.

FOTO: REPRODUÇÃO/MINISTÉRIO DA SAÚDE

Só paga… A prefeitura de São Bernardo do Campo (SP), meca do sindicalismo brasileiro, foi rápida e já retirou da folha de pagamento de seus 14 mil servidores públicos a obrigatoriedade da contribuição sindical.

…quem quiser. A decisão do prefeito Orlando Morando (PSDB) acata a MP 873/19, editada pelo presidente Bolsonaro, segundo a qual o repasse deve ser voluntário, individual e autorizado pelo empregado.

PRONTO, FALEI!

Alessandro Vieira. FOTO: DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

Alessandro Vieira, senador (PPS-SE): “A crise não é de Poderes, é de poderosos que tentam a todo custo evitar serem investigados”, sobre a reação ao seu pedido de abertura da CPI da Lava Toga

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG, JULIANA BRAGA E MARIANNA HOLANDA

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao