Sindicância feita pelo TCU não vê tráfico de influência com filho de ex-presidente da corte

Sindicância feita pelo TCU não vê tráfico de influência com filho de ex-presidente da corte

.

Luiza Pollo

05 de fevereiro de 2017 | 07h30

Foto: André Dusek/Estadão

Foto: André Dusek/Estadão

Sindicância feita pelo TCU não viu provas de que o escritório do advogado Tiago Cedraz, filho do ex-presidente da corte Aroldo Cedraz, praticou tráfico de influência e teve acesso privilegiado a dados do órgão.

A acusação foi feita por Ricardo Pessoa, da UTC, delator da Lava Jato. O caso ainda é investigado no Supremo.

O ministro Walton Alencar, relator da investigação, enviou o caso à Corregedoria do TCU. A sindicância foi aberta em setembro de 2015, com prazo de 30 dias, e reinstaurada sete vezes. O gabinete de Walton diz que houve apuração exaustiva.

Siga a Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao

Tudo o que sabemos sobre:

TCU

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.