Simone Tebet conversa com economistas tucanos para campanha

Simone Tebet conversa com economistas tucanos para campanha

Mariana Carneiro, Camila Turtelli, Matheus Lara e Gustavo Côrtes

25 de abril de 2022 | 05h01

Pré-candidata à Presidência, Simone Tebet (MDB) tem atraído economistas historicamente ligados ao PSDB para reuniões de formulação do seu programa de governo desde março. Edmar Bacha e Pérsio Arida, que atuaram na formulação do Plano Real, e Armínio Fraga, presidente do Banco Central na gestão de Fernando Henrique Cardoso, são alguns dos colaboradores. Assessora econômica de Tebet, Elena Landau é quem convoca especialistas para a realização de “imersões temáticas” com a senadora. A parlamentar intensificou a prática nas últimas semanas e já debateu assuntos como políticas para o meio ambiente, programas sociais, habitação e setor elétrico.

A presidenciável Simone Tebet (MDB). Foto: André Dusek/Estadão.

JUNTOS. Tebet também tem conversado com técnicos como Ricardo Paes de Barros, idealizador do Bolsa Família, implementado no primeiro mandato de Lula, e José Márcio Camargo, um dos autores do documento “Uma Ponte para o Futuro”, de Michel Temer.

ALMA TUCANA. A aproximação com o pensamento raiz dos tucanos não é à toa. Tebet ainda espera conquistar o partido para se lançar como a presidenciável pela terceira via, disputando com João Doria (PSDB), uma vez que Eduardo Leite desistiu da disputa.

SINAIS PARTICULARES (por Kleber Sales). Simone Tebet, presidenciável do MDB, e Elena Landau, economista

DESEJO. A Associação Nacional dos Procuradores da República quer se reunir com os presidenciáveis para apresentar demandas da categoria. Uma das reivindicações do grupo é que o próximo presidente nomeie indicados da lista tríplice do Ministério Público ao posto de Procurador-Geral da República.

CLICK. Hugo Leal, deputado federal (PSD-RJ)

Com o colega Fábio Ramalho (MDB-MG), no carnaval do Rio. Ambos disputam vaga da Câmara dos Deputados no Tribunal de Contas da União.

NÃO PRECISA. A Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo ficou de fora dos preparativos do carnaval. A Prefeitura não viu riscos de uma eventual alta dos casos de covid-19.

PRONTO, FALEI! Daniel Couri, diretor-executivo da IFI

“O governo parece querer acomodar muitas demandas no Orçamento de um ano eleitoral. É preciso que haja transparência e que as regras do jogo sejam seguidas.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.