Símbolo em Brasília, Piantella fecha as portas

Símbolo em Brasília, Piantella fecha as portas

Marianna Holanda

29 de abril de 2020 | 05h10

Coluna do Estadão

O Piantella, restaurante que foi palco do debate político em Brasília desde a redemocratização, fechou as portas nesta semana. Segundo o empresário carioca Roberto Peres, que há três anos tocava o negócio com seu irmão, Omar Peres, a pandemia foi a “pá de cal” no que estava mal das pernas desde o ano passado.

Em 2019, as contas entraram no vermelho. A causa, segundo Peres, foi a mudança no governo e no Congresso: 90% da clientela era de políticos antigos, como Miro Teixeira e Heráclito Fortes (ex-deputados, ambos não reeleitos).

“Essa rapaziada nova não tem essa formação do Piantella, a não ser um velhinho. Moreira Franco, por exemplo, quando soltaram, apareceu por lá. Tem isso também: as prisões atrapalharam o movimento”, contou à Coluna.

Antes, o Piantella pertencia ao advogado Kakay. Sob a nova gestão, o presidente Jair Bolsonaro foi ao lugar apenas uma vez, quando ainda era candidato. Seu filho Eduardo Bolsonaro também apareceu por lá uma vez no período.

“Uma pena, porque o povo que não tem história, não vai pra frente, né, meu amor. Com isso, morre Ulysses (Guimarães, que foi frequentador assíduo do local), as conversas da Nova Constituinte, vai apagando a história”, continuou o empresário.

A placa de “passo o ponto” foi pendurada na entrada nesta semana. “Foi bom enquanto durou, que fique na memória gustativa das pessoas agora”.

Leia a íntegra da Coluna de hoje aqui.

Tudo o que sabemos sobre:

Piantellacoronavíruscovid-19

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.