Setor de eventos ainda esquecido por governos

Setor de eventos ainda esquecido por governos

Coluna do Estadão

17 de setembro de 2020 | 05h00

Foto: Wilton Junior/Estadão

Apesar de representar 5% do PIB nacional e empregar mais de 12 milhões de profissionais diretos e indiretos, o mercado de eventos está abandonado pelo poder público. Paralisado desde março e sem previsão de retomada, esse mercado, que movimentava R$ 1 trilhão por ano antes da pandemia, não recebeu apoio de governos federal, estaduais e municipais e ainda foi esquecido pelo Ministério da Economia na hora de listar, em portaria publicada esta semana, os setores mais afetados pela covid-19 após a decretação da calamidade pública.

Tá… Grande parte dos setores relacionados já está em atividade, mas o de eventos segue esquecido. Antes da pandemia, eram cerca de 590 mil eventos realizados por ano no País.

…osso. Os eventos virtuais não trazem refresco: a maioria esmagadora não é monetizada, são investimentos para manter marcas.

Chega. “Não há sequer posição de quando retomaremos as atividades, mesmo tendo protocolos e comprovações de que podemos garantir mais segurança até do que outros setores que já voltaram”, diz Jamil Abdala, presidente da União Brasileira de Promotores de Feiras e Eventos de Negócios (Ubrafe).

Chega 2. A entidade prepara carta de repúdio a ser enviada aos governantes.

Xi. Luiz Fux acabou criando uma enfermaria republicana. Por enquanto, dois Poderes estão representados entre os que se contaminaram com covid-19: Legislativo e Judiciário. Ainda não se conhece se há representante do Executivo.

Xi 2. Consta que foi o próprio Fux quem “pediu” a presença física dos convidados. Segundo o jargão da política, determinação de presidente do STF se cumpre, não se discute.

Pedala… A Coluna inicia hoje uma série, ilustrada, para mostrar quem é quem na fila do pão da eleição para prefeito de São Paulo.

…PT. Jilmar Tatto tenta unir o PT em torno de sua candidatura enquanto aposta em marcas de gestões petistas. Ele foi o secretário responsável pela expansão das ciclovias na administração Fernando Haddad.

SINAIS PARTICULARES.
Jilmar Tatto, secretário de comunicação do PT e candidato a prefeito de São Paulo

Ilustração: Kleber Sales

Pedra… Após o cartão vermelho de Bolsonaro, o debate sobre o Renda Brasil ficará para o Congresso, onde já tramita projeto do senador José Serra (PSDB-SP) para instituir a renda básica, com valor a ser determinado pelo Poder Executivo.

…fundamental. Governo seria provocado a governar. A proposta se destaca no Congresso ao exigir responsabilidade fiscal e avaliações periódicas do programa para fins de ajuste do valor e do público-alvo.

CLICK. Andrea Matarazzo, candidato do PSD a prefeito de São Paulo, visitou a Galeria do Rock, no centro. Projeto dele transformou o local em patrimônio cultural.

Coluna do Estadão

Comitiva. Um grupo de deputados e senadores viajará ao Pantanal neste fim de semana para buscar soluções e ver in loco as consequências das trágicas queimadas que atingem o importante bioma.

Sem… O senador Antonio Anastasia (PSD-MG) participa hoje (17/09), às 14h, de webinar com o senador colombiano Rodrigo Lara Restrepo sobre Modernização dos Governos na América Latina.

…fronteiras. A mediação do evento será da ex-deputada argentina Laura Alonso. O evento é realizado pela República.org e pela organização americana Eisenhower Fellowships.

PRONTO, FALEI! 

Foto: Cleia Viana/Câmara dos Deputados

Rodrigo Agostinho, deputado federal (PSB-SP): “O presidente não consegue enxergar a maior prioridade do momento para o Mato Grosso. Por fim aos incêndios que devastam a planície inundável mais rica em biodiversidade do mundo”, sobre a visita de Bolsonaro à região nesta sexta-feira (18) não incluir compromissos em relação às queimadas.

COM ALBERTO BOMBIG E MARIANA HAUBERT. 

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: