Serra quer empenho de governo por reforma política

Serra quer empenho de governo por reforma política

Coluna do Estadão

04 Agosto 2017 | 05h30

O senador José Serra (PSDB-SP) procurou ontem o presidente Michel Temer para defender que o governo se empenhe na votação da reforma política. Serra é cotado para ser relator da comissão que tratará do tema no Senado, tendo como pontos centrais parlamentarismo, voto distrital misto, cláusula de barreira e fim das coligações. A tendência é de que a comissão seja instalada em até duas semanas. Michel Temer se mostrou interessado na possibilidade de implantação do parlamentarismo, com a figura de primeiro-ministro, a partir de 2019.

Sem brigalhada. O presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), já preparou um esboço de quem deve integrar o colegiado. A preocupação é que o grupo seja representado por quem entenda do assunto.

Com pompa. Relator da reforma política na Câmara e autor da natimorta “emenda Lula”, o deputado Vicente Cândido (PT-SP) será convidado a participar das discussões no Senado.

Uma coisa é uma coisa. Criticado por ter recomendado voto contra Michel Temer, o líder tucano da Câmara, Ricardo Tripoli, lembrou que a discussão não tinha nada a ver com apoio ao governo. E disse a interlocutores que o partido não pode “abrir mão de fazer política”.

Mais fortes. Os cabeças-pretas tucanos acham que o apoio à denúncia fortaleceu o grupo. “Acordei hoje com o sentimento de missão cumprida”, afirmou a deputada Mariana Carvalho (PSDB-RO), segunda-secretária da Câmara.

SINAIS PARTICULARES – MARIANA CARVALHO
ILUSTRAÇÃO – KLÉBER SALES

 

Roto e rasgado. A ala governista tucana se irritou com nova tentativa de o PSD tomar Cidades do partido, alegando infidelidade a Temer. Um dirigente do partido lembrou que o PSD teve 14 votos contra Temer.

Só love. Para acalmar traidores do governo, a edição do Diário Oficial da União de hoje não deve trazer exonerações de quem votou contra Temer.

Estranho no ninho. Um dia após ter ido ao Planalto, o deputado Zeca Dirceu (PT-PR) assustou jornalistas que esperavam do lado de fora no jantar que Fábio Ramalho serviu a Temer. “Calma, gente, moro aqui.”

Ainda não. A quem perguntar se pretende aplicar punição a senadores que tentaram atrapalhar a votação da reforma trabalhista no Senado, João Alberto (PMDB-MA) pede cautela. “Terça ainda será apenas o sorteio do relator.”

Bolso cheio. Enquanto o vizinho Rio de Janeiro sofre com a falta de recursos, o governador do Espírito Santo, Paulo Hartung (PMDB), autorizou a concessão de auxílio-alimentação a cerca de 47 mil servidores. Para alguns, a medida representará um ganho financeiro de, pelo menos, 10%.

CLICK. Um dia depois da derrubada da denúncia contra o presidente, funcionários da limpeza do DF apagam, em Brasília, pichação com os dizeres ‘Fora Temer’.

Foto: Naira Trindade/Estadão

Tchau, queridos. Mal voltaram do recesso, parlamentares sumiram de Brasília logo de manhã.

Pente-fino. Está em fase final de pesquisa de títulos a indicação de dois nomes para assumir as cadeiras de desembargadores dos tribunais regionais eleitorais do Distrito Federal e do Piauí. As indicações já estão na Casa Civil.

Correção. A foto do deputado Wladimir Costa e Michel Temer publicada ontem mostra encontro do ano passado e não de antes da votação de quarta

 

PRONTO, FALEI!

“A questão da Previdência é crucial. O sistema está quebrado e a causa principal são os sistemas especiais de aposentadoria”, de JOSÉ ANÍBAL, PRESIDENTE DO INSTITUTO TEOTÔNIO VILELA, sobre a necessidade da reforma.

 

 

Siga a Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao