Senado reagirá ao Supremo com medida pró-delator

Senado reagirá ao Supremo com medida pró-delator

Luiza Pollo

09 de outubro de 2017 | 05h30

Foto: NILTON FUKUDA/ESTADÃO

 

É extenso o pacote de medidas que o Senado promete votar em reação a uma possível decisão do Supremo, quarta, favorável ao afastamento de parlamentares do mandato sem aval do Congresso. Senadores ameaçam interferir na Operação Lava Jato impedindo que os delatores comecem a cumprir a pena antes da sentença do juiz. No caso da Odebrecht, por exemplo, o Supremo determinou que a pena deveria ser aplicada logo após a homologação do acordo, mesmo para os colaboradores que não foram condenados ou formalmente investigados.

Bateu, levou. O presidente do Senado, Eunício Oliveira, foi avisado de que há fila de senadores dispostos a apresentarem o projeto pró-delator. Embora atue para acalmar os ânimos, ele sabe que a depender do resultado o revide virá.

Força tarefa. Assim como o Senado, a Câmara e a AGU também enviaram manifestações ao Supremo sobre o julgamento do dia 11. Todos contrários às medidas cautelares contra congressistas. A ministra Grace Mendonça, da AGU, fará sustentação oral.

É complexo. Relator da segunda denúncia contra o presidente Temer, o deputado Bonifácio de Andrada (PSDB-MG) não descarta pedir mais prazo para apresentar seu parecer à CCJ. A leitura do documento está marcada para amanhã.

Vai que. O PSDB paulista começou discretamente a discutir alternativas caso o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, perca a vaga de candidato ao Planalto para o prefeito de São Paulo, João Doria.

Dança de cadeiras. Nesse cenário, Alckmin sairia candidato ao Senado no lugar do chanceler Aloysio Nunes, que abriria mão de disputar a reeleição. Aliados do governador acham, contudo, que é improvável ele perder para Doria.

Melhor você. Denunciado ao lado de Michel Temer no “quadrilhão do PMDB”, o ministro Moreira Franco foi escolhido pelo presidente para representá-lo no Vaticano, dia 15, em cerimônia de canonização de mártires brasileiros.

Ocupado. Temer pediu agenda com o papa Francisco, mas desistiu da viagem antes de chegar a resposta do Vaticano. Preferiu ficar aqui na semana em que a 2ª denúncia deve ser votada.

Pressa. O governo tem pressa na votação da medida provisória da leniência dos bancos. A MP caduca só no dia 19, mas o Planalto não quer correr risco e trabalha para aprová-la nesta semana. O presidente do BC, Ilan Goldfajn, tem ajudado a buscar votos.

Separa. O ministro Edson Fachin pediu a opinião da PGR sobre desmembramento da investigação dos R$ 51 milhões de Geddel Vieira Lima. Na PF, a torcida é para que Geddel seja investigado na 1ª instância e seu irmão, o deputado Lúcio Vieira Lima, no STF.

CLICK. Depois de mergulhar para driblar a pressão de outros partidos pelo seu cargo, o ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, participa de evento evangélico.

Foto: Twitter Ronaldo Nogueira

 

Animado. Antes de viajar para Washington terça, o ministro Henrique Meirelles quer aprovar no Senado projeto que cria o Cadastro Positivo de consumidores.

Em aberto. Apesar do upgrade de poder e exposição midiática após o impeachment, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, ainda não conseguiu o consenso na própria base eleitoral.

Duelo. O DEM-RJ se divide entre apoiá-lo ou se aliar a Eduardo Paes(PMDB) para o governo fluminense.

SINAIS PARTICULARES – RODRIGO MAIA ILUSTRAÇÃO – KLEBER SALES

 

Pronto, Falei! 

“Sempre soube que ele iria imitar alguém. Tenho dúvidas sobre se a matriz é Ciro Gomes ou Trump”, DO PREFEITO DE MANAUS, ARTHUR VIRGÍLIO (PSDB) sobre as críticas de João Doria a Alberto Goldman.

Siga a Coluna do Estadão:
Twitter:
 @colunadoestadao
Facebook:
 facebook.com/colunadoestadao
Instagram:
 @colunadoestadão

Tudo o que sabemos sobre:

SenadoSupremoAécio Neves

Tendências: