Senado ignorou decisão do Supremo sobre Aécio

Senado ignorou decisão do Supremo sobre Aécio

Coluna do Estadão

18 de abril de 2018 | 05h30

Foto: Dida Sampaio/Estadão

O Senado ignorou a decisão do Supremo que ontem tornou réu o tucano Aécio Neves (MG). Dos 38 senadores que discursaram no plenário, apenas um comentou a decisão que atingiu o colega. “Foi cinco para o Brasil e zero para o Aécio”, limitou-se a dizer Magno Malta (PR-ES), sem apartes. Nenhum petista usou o espaço para comentar o infortúnio do tucano. A prisão de Lula mereceu mais atenção ontem. O ex-presidente foi citado 44 vezes; Aécio apenas uma vez. A maioria das menções a Lula foi de crítica à conduta do petista também acusado de  corrupção.

Ele se vira. Colegas de partido de Aécio comentaram a decisão apenas fora do plenário e aproveitaram para estocar o PT. “Ao contrário de alguns partidos, o PSDB respeita a decisão do Judiciário e não tem qualquer crítica à Justiça”, afirmou o líder Paulo Bauer.

SINAIS PARTICULARES: Aécio Neves, senador pelo PSDB; por Kleber Sales

Aqui não. O Senado vai negar o pedido de petistas para incluir no painel eletrônico o sobrenome Lula. Dirá que o regimento interno não permite.

Mal menor. Chegou para o governo a informação de que a prisão de amigos do presidente Temer foi uma medida bem menor do que teriam cogitado a Polícia Federal e o ministro Luís Roberto Barroso (relator do inquérito dos Portos): ações dentro de gabinetes do Palácio do Planalto.

Armando-se. Michel Temer vai tornar jantares com seus aliados na Câmara mais frequentes. Quer uma vacina contra uma possível terceira denúncia. Ontem, jantou com o MDB.

Vapt-vupt. A comissão da Câmara criada para acompanhar o caso Marielle tem sessões de cinco minutos. Ontem, com apenas dois deputados no plenário, foi aprovado convite para a procuradora Raquel Dodge falar sobre as investigações.

Trunfo. O Planalto avalia que o desfecho das investigações sobre a execução da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes vai se reverter em melhora na avaliação do governo de Michel Temer.

Eleitoral? O inquérito que apura repasses da Odebrecht a campanhas eleitorais de Beto Richa no Paraná ainda não deixou o STJ após ele sair do governo.

Nova cartilha. O Planalto editou uma instrução normativa que suspende, durante período eleitoral, a veiculação ou exibição nos sites do governo de discursos, entrevistas ou pronunciamentos de autoridades que disputam a eleição.

Adequando-se. Diferentemente de 2014, a norma deste ano limita também as publicações nas redes sociais. “Fica vedada a inclusão de posts nos perfis dos órgãos”, diz o texto. Até mesmo a interatividade com o público será restrita, sendo excluído comentário de cunho eleitoral.

CLICK. Em intercâmbio parlamentar no Japão, o presidente do Senado, Eunício Oliveira, e sua esposa foram recebidos pelo imperador Akihito e pela imperatriz Michiko.

FOTO: COLUNA DO ESTADÃO

Na gaveta. O projeto que pune, com multa e até prisão, delatores que lucraram no mercado financeiro com ajuda de informações privilegiadas de suas colaborações vai ficar na gaveta da CCJ da Câmara. Não haverá indicação sequer do relator. O texto já foi aprovado numa comissão.

Foco. Apesar de toda desconfiança do setor, o ministro Moreira Franco (Minas e Energia) disse a interlocutores que não descansa enquanto não capitalizar a Eletrobrás. O governo prefere o termo à privatização.

PRONTO, FALEI! 

Fábio Tofic, criminalista

“A grita dos procuradores contra o novo CPP é jogo de cena. O STF já estabeleceu critérios para o Ministério Público investigar. Só que isso vem sendo descumprido”, DO CRIMINALISTA FÁBIO TOFIC, sobre a proposta de novo CPP em discussão na Câmara gerar descontentamento no MPF.

COM NAIRA TRINDADE E LEONEL ROCHA. COLABOROU BRENO PIRES 

Coluna do Estadão:
Twitter:
 @colunadoestadao
Facebook:
 facebook.com/colunadoestadao
Instagram:
 @colunadoestadão

Tendências: