Senado cruza o caminho de Dallagnol no CNMP

Senado cruza o caminho de Dallagnol no CNMP

Coluna do Estadão

22 de julho de 2020 | 22h36

Deltan Dallagnol. FOTO: FELIPE RAU/ESTADÃO

Em mais um revés para Deltan Dallagnol, o pedido da senadora Kátia Abreu (PP-TO) ao Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) pela remoção por interesse público do procurador da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba foi redistribuído para um novo relator: Luiz Fernando Bandeira, secretário-geral da Mesa Diretora do Senado e indicado da Casa no conselho. A senadora quer afastar Dallagnol “pelo conjunto da obra”, digamos assim, do comando da operação, ou seja, considerando todas as ações que correm contra ele no conselho.

Sinais. A rápida resposta da Corregedoria Nacional do Ministério Público aos recentes ataques de Deltan Dallagnol contra o STF foi considerada, nos bastidores das duas instituições, bastante “contundente”.

Sinais 2. Enquanto isso, políticos e juristas tentam entender os movimentos de Dallagnol, afinal, criticar o STF é cruzar uma linha importante. Parte acha que ele sabe que será punido pelo CNMP e resolveu “chutar o balde”. Outros, pensam o contrário: ele tem certeza da impunidade.

CLICK. O Senado instalou terminais na entrada da Casa para que parlamentares do grupo de risco possam votar, sem sair do carro, nas sessões semipresenciais, previstas para iniciarem em agosto. Terminais semelhantes também serão colocados ao lado da entrada do plenário e em outro local dentro da Casa. A ideia é evitar aglomerações na hora de votar.

Coluna do Estadão

Para… O delegado da Polícia Federal, Milton Fornazari Júnior, responsável pela abertura do inquérito que resultou na operação cujo alvo foi o senador José Serra (PSDB-SP), é o mesmo que em 2018 publicou mensagem em redes sociais cobrando avanço da Lava Jato para além do ex-presidente Lula da Silva (PT).

…lembrar. “Agora é a hora de serem investigados, processados e presos os outros líderes de viés ideológico diverso, que se beneficiaram dos mesmos esquemas ilícitos que sempre existiram no Brasil”, disse ele após a prisão de Lula.

Climão. O deputado Hildo Rocha (MDB-MA) expressou em alto e bom som a insatisfação de parte dos parlamentares com Luiz Eduardo Ramos (Governo). Ao encontrar o ministro no Salão Verde da Câmara, bradou: “joga sua caneta fora que ela está sem tinta”.

Climão 2. Ramos não respondeu. À Coluna, Rocha disse ter falado em tom de brincadeira, “mas também de cobrança” por causa da promessa de liberação de recursos para a Codevasf, que até hoje não aconteceu.

SINAIS PARTICULARES.
Hildo Rocha, deputado federal (MDB-MA)

Ilustração: Kleber Sales

Estamos… A confusa articulação do governo na votação do Fundeb serviu para aumentar a pressão sobre Luiz Eduardo Ramos. Nos últimos meses, o ministro vem colecionando trombadas, como a ocorrida com o novo marco do saneamento e com o crédito suplementar, última grande polêmica antes da pandemia.

…juntos. Mesmo assim, Ramos, segundo governistas, continua forte, por dois motivos: sua amizade com o presidente e com os demais generais palacianos. Braga Netto e Augusto Heleno seguram as pontas.

Boleto… A retomada das obras da linha 15 do metrô paulistano, que parecia ter finalmente engrenado, segue ameaçada pela burocracia. As empresas responsáveis pelas obras alegam que não recebem há mais de três meses, justamente após o desmembramento de secretarias do governo.

…vencido. Cerca de cem trabalhadores foram colocados em aviso prévio e outros 60, que seriam contratados esta semana, não tiveram carteiras assinadas. As previsões para os próximos dias, segundo as empresas, não são muito animadoras.

BOMBOU NAS REDES!

Foto: TV Estadão

Carlos Zarattini (PT-SP): “A mais nova fake news de Bolsonaro: governo ajudou a aprovar o Fundeb. A verdade é que Bolsonaro trabalhou e manobrou para impedir a votação.”

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG, MARIANA HAUBERT E MARIANNA HOLANDA.

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.