Sem Moro, ala do Podemos aposta em aliança com Bolsonaro e Tarcísio em SP

Sem Moro, ala do Podemos aposta em aliança com Bolsonaro e Tarcísio em SP

Camila Turtelli e Matheus Lara

01 de abril de 2022 | 05h00

Tarcísio, em encontro com o prefeito Igor Soares (Podemos), de Itapevi (à direita) e o deputado Cezinha de Madureira (PSD-SP).

A ida de Sérgio Moro para o União Brasil fez lideranças do Podemos em São Paulo arregaçarem as mangas e já se prepararem para um reposicionamento “de 180 graus” da sigla, como definiu uma, para as disputas de outubro. Depois do naufrágio da pré-candidatura ao governo estadual de Arthur do Val, do fim da aliança com o MBL e agora da saída de Moro, ala do Podemos se movimenta para que a sigla caminhe com o bolsonarismo. O caminho mais fácil, segundo fontes, é a negociação da posição de vice de Tarcísio de Freitas (Republicanos). Um canal de diálogo já está estabelecido: o agora ex-ministro da Infraestrutura conversa com Igor Soares, prefeito de Itapevi, na Grande São Paulo.

VAMOS CONVERSAR. Soares havia deixado a presidência estadual do Podemos em janeiro para apoiar a candidatura de Rodrigo Garcia (PSDB). Hoje, 1.º, terá reuniões com a sigla para definir sobre sua posição a respeito de Tarcísio.

UFA. Alguns dirigentes estaduais do Podemos disseram ter visto com alívio a saída de Moro da corrida presidencial. Como a Coluna adiantou, havia na sigla temor de que a disputa de Moro tomasse recursos demais do fundo eleitoral. Com isso, os principais prejudicados seriam os nomes das disputas legislativas.

QUE DIA! O dia de “barata voa” na política nacional fez vários partidos recalcularem suas rotas. A turma da “terceira via” adiou seus encontros e ainda não há nova reunião agendada. É preciso entender a nova correlação de forças para colocar as cartas na mesa.

PRONTO, FALEI! Antônio Neto, presidente do PDT paulistano

“João Doria se movimenta politicamente que nem um elefante numa loja de cristais”, após barulho causado por tucano sobre sua candidatura à Presidência.

RESTA UM(A). Uma das versões sobre as consequências do dia de ontem é a de que sobrou apenas a senadora Simone Tebet, presidenciável do MDB, no jogo como uma candidata na terceira via disposta a dialogar com outras siglas do centro e da direita democrática.

POR AÍ. Por mais que João Doria (PSDB) siga no jogo, o tucano não terá mais capacidade de liderar uma coalizão entre os partidos, dizem nos bastidores. Ciro Gomes (PDT), que tentou rivalizar com Sérgio Moro a preferência da terceira via, não é visto como uma opção agregadora.

VEM AÍ. Enquanto isso, a entrada de novos participantes também não está descartada. O presidente do PSD, Gilberto Kassab, esteve em Brasília tentando reorganizar sua estratégia para as eleições, após a desistência de Eduardo Leite (PSDB) de integrar a sigla.

CLICK. Daniel Silveira, deputado federal (União-RJ)

Parlamentar foi cortejado por bolsonaristas, como o deputado Sanderson (PL-RS), em evento do Planalto enquanto descumpria determinação do STF.

SINAIS PARTICULARES (por Kleber Sales). Jair Bolsonaro, presidente da República (PL) e Daniel Silveira, deputado federal (União-RJ)

CORPO. Tem fôlego no Executivo a ideia de mudar as agências reguladoras. Bolsonaro disse que elas, por muitas vezes, “podem muito mais” que os ministérios, e que estão “lá para criar dificuldades”. “Nasceu no governo Fernando Henrique Cardoso.”

IDEIA. Como mostrou a Coluna, chegará ao Congresso uma proposta para esvaziar os poderes das agências. A ideia é retirar funções como a definição e o julgamento de regras.

COLABOROU AMANDA PUPO

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.