Sem Lula, PSB já propõe lançar candidato único

Sem Lula, PSB já propõe lançar candidato único

Luiza Pollo

27 Janeiro 2018 | 05h30

Foto: Dario Oliveira/Estadão Conteúdo

Com a possibilidade real de o ex-presidente Lula ser impedido de disputar a eleição, o PSB acelerou as articulações para lançar um candidato único à Presidência da República do campo que ele chama de “progressista”. Nas últimas semanas, o secretário-geral do partido, Renato Casagrande, conversou com Ciro Gomes (PDT), Marina Silva (Rede), Álvaro Dias (Podemos) e Manuela d’Avila (PCdoB). O dirigente socialista diz que ficou animado com a receptividade à sua proposta. O PT, que também defende a ideia, está fora dessas negociações.

Não é sorteio. O critério proposto pelo PSB para a escolha do candidato é simples. Quem estiver melhor nas pesquisas entre maio e junho seria o nome desse “campo progressista”. O prazo legal para registro do candidato é 15 de agosto.

Espera. O PSB convidou o ex-ministro Joaquim Barbosa para disputar a eleição presidencial pelo partido. Se ele topar e a ideia de candidatura única vingar, terá que entrar na disputa.

Animou. O senador Álvaro Dias (Podemos) diz não acreditar em aliança eleitoral com um leque tão amplo de siglas, mas vê viabilidade no acordo entre o seu partido, a Rede e o PSB. A Rede diz que Marina Silva mantém a candidatura, mas não se recusa a conversar.

Tô fora. A empresária Luiza Trajano nega conversas com o PT para disputar a eleição presidencial como vice de Jaques Wagner, caso Lula fique fora da corrida eleitoral. “Nem falo com o Wagner”, afirma.

Sinais Particulares: Jaques Wagner, ex-ministro de Lula e Dilma; por Kleber Sales

É sigilo! O ministro Torquato Jardim (Justiça) pediu para o comando da PF não comentar mais sobre os preparativos para a prisão do ex-presidente Lula.

Arrependidos. O PEN avaliou suspender a ação que impetrou no Supremo questionando o cumprimento de pena após a decisão de segunda instância.

Nem um nem outro. Na época, o partido negociava a filiação de Jair Bolsonaro e desistiu a pedido do presidenciável. Ao final, o PEN ficou sem Bolsonaro e não havia mais como para retirar a ação. O STF vai julgar o tema na volta do recesso.

Foi tarde. A saída de Vanda Nogueira da poderosa Secretaria de Radiodifusão do Ministério das Comunicações, efetivada no final de 2017, ajuda o ministro Gilberto Kassab. Na pasta, ela era considerada de difícil temperamento.

Portas abertas. No lugar dela entrou Moisés Queiroz Moreira, que tem mais trânsito e paciência para atender congressistas.

Ouro. A secretaria analisa pedidos de geradoras e retransmissoras de TV. Desde que assumiu, Kassab deu 531 retransmissoras.

CLICK. Presidente em exercício e pré-candidato ao Planalto, Rodrigo Maia prestigiou a posse de Lucas Vergílio na presidência do Sindicato dos Corretores de Goiás.

FOTO TWITTER

Deu eco. Após ter criado o movimento “Brasil 200”, o empresário Flávio Rocha observou que dobrou o número de seus seguidores no Twitter. Passou de 7,8 mil para 14,6 mil. O dono da Riachuelo lançou um manifesto em busca de um presidenciável liberal.

Ganhando tempo. Candidato ao governo paulista, Paulo Skaf (MDB) recebeu de tucanos graúdos sinalização de que eles apoiam seu nome ao Planalto em troca de uma aliança do partido em torno do presidenciável Geraldo Alckmin. Márcio França, candidato do PSB, ouviu a mesma promessa.

PRONTO, FALEI!

Foto: Dida Sampaio/Estadão

“É lamentável. As pessoas de bom senso do Judiciário precisam punir esses juízes”, DO SENADOR JORGE VIANA (PT-AC), sobre os desembargadores do TRF-4 terem confirmado a condenação de Lula.

COM REPORTAGEM DE NAIRA TRINDADE E LEONEL ROCHA

Siga a Coluna do Estadão:
Twitter:
 @colunadoestadao
Facebook:
 facebook.com/colunadoestadao
Instagram:
 @colunadoestadão