Sem Bolsonaro, Estados vão negociar vacinas

Sem Bolsonaro, Estados vão negociar vacinas

Coluna do Estadão

25 de fevereiro de 2021 | 05h00

Presidente Jair Bolsonaro. FOTO: GABRIELA BILO/ESTADÃO

Um ano e 250 mil mortes após o primeiro caso oficial de covid-19 no País, Jair Bolsonaro segue lépido e fagueiro sem máscara, sem vacinas suficientes para os brasileiros e, principalmente, sem ser incomodado pela Procuradoria-Geral da República e pelo Congresso. Enquanto o presidente anda de jet ski, vai a stands de tiro, pratica mergulho e tira férias, governadores e prefeitos, na linha de frente do combate, sofrem desgaste diário. A esperança de Estados e municípios, porém, cresceu após decisões do Senado e do Supremo Tribunal Federal.

É… Diante da autorização dada pelo STF e pelo Senado para que Estados comprem vacinas, o presidente do Fórum dos Governadores, Wellington Dias (PT-PI), disse à Coluna que há uma reunião marcada para a próxima terça-feira, 2, com a União Química para discutir o contrato de compra da Sputnik-V.

…nossa. “Temos um memorando de opção de compras e antes não era possível celebrar contrato firme, agora pode. Vamos negociar”, disse o governador. O embaixador russo no Brasil, Sergey Akopov, também participará do encontro.

Olho… Segundo Dias, o memorando (que é uma intenção de compra) era de 50 milhões de doses, mas, para fechar contrato, os governadores precisam ver o cronograma de entrega e a capacidade de produção no Brasil e no exterior.

…no olho. Os governadores têm reunião hoje para discutir as possibilidades. “Eles (da União Química) disseram que devem começar produzindo cerca de 8 milhões de doses por mês. Nossa prioridade é de março a julho”, afirmou Dias. O fórum também vai negociar outras vacinas.

Périplo. Os governadores vão procurar ainda os embaixadores da Índia e China (todos países produtores de vacina) para pedir ajuda para viabilizar novas compras.

Tem… A iniciativa de empresários de comprar um lote com 33 milhões de doses da AstraZeneca fez água, ainda que o Senado tenha aprovado o projeto permitindo a compra dos imunizantes por empresas.

…mas acabou. Como a questão demorou para avançar no Brasil, o lote foi vendido para outro país.

Vou pra galera. Enquanto o Congresso se debatia em torno da PEC da Blindagem, o clã Bolsonaro largava na frente e comemorava: o senador Flávio Bolsonaro já estava blindado.

SINAIS PARTICULARES. 
Flávio Bolsonaro, senador (Republicanos-RJ)

Ilustração: Kleber Sales

Largada. Arthur Lira abre oficialmente amanhã, 26, sua agenda econômica na capital paulista desde que assumiu a presidência da Câmara dos Deputados. O encontro será com a poderosa Febraban.

Nas… Lira escolheu a federação dos bancos na abertura da agenda para dar recado: não quer mediadores na relação que pretende manter com investidores.

…entrelinhas. O presidente da Câmara tem sido assediado por inúmeras gigantes do setor financeiro. Porém, não quer ser associado a nenhuma “logomarca”, diz um de seus interlocutores. Todos no mercado terão acesso direto a ele, costuma repetir. Amanhã mesmo Lira conversará com um grupo de investidores.

Unfollow. Após ser cobrado publicamente, o STJ fez uma limpa no seu Twitter e deixou de seguir vários “famosos”, alguns jornalistas e muitas celebridades.

Unfollow 2. O perfil oficial do tribunal seguia 343 outros perfis. O número baixou para 69 ontem. Entre os que sobraram, quase todos são de instituições da República ou ligados ao mundo do Direito.

CLICK. Perfil do STJ no Twitter seguia, entre outros perfis, a página do Corinthians e de atores globais como Tata Werneck e Lázaro Ramos.

Reprodução

PRONTO, FALEI! 

Foto: Reprodução/ TV Gazeta

Ethel Maciel, epidemiologista da Ufes: “Alguns dos erros: política inexistente de testes e de rastreamento, falta de liderança e de incentivo ao isolamento”, sobre os 250 mil mortos pela covid-19.

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG, MARIANA HAUBERT E MARIANNA HOLANDA.

Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.