‘Sem ajuste, governos e prefeituras quebrarão’

‘Sem ajuste, governos e prefeituras quebrarão’

Marcelo de Moraes

26 de setembro de 2016 | 05h23

il2609x

 

 

ENTREVISTA

BETO RICHA – Governador do Paraná

Em fevereiro de 2015, o governador do Paraná, Beto Richa (PSDB), promoveu duro ajuste nas contas do Estado. Os protestos geraram reação pesada da polícia, abalando o prestígio de Richa. “Paguei um preço caríssimo”, diz. Um ano depois, o Paraná equilibrou as contas e se tornou a quarta economia do País. Mas Richa apoia governadores que pedem socorro ao Planalto por terem as contas comprometidas. Ele defende mudanças para reduzir o peso da máquina pública. “Mais dia, menos dia, todos os Estados e prefeituras vão quebrar”, afirma.

Crise dos governadores
A crise atingiu a todos. Todas as administrações públicas, sejam estaduais ou municipais, passam por dificuldades enormes. Se você analisar que em mais da metade dos Estados, os governadores já manifestaram que, se não houver ajuda federal, vão decretar calamidade financeira, a situação é realmente caótica.
Lições
A crise foi tão aguda que uniu os governadores. Temos que aproveitar para mudar uma série de coisas que vêm se arrastando há tempos nas administrações públicas. O inchaço das máquinas. A burocracia do poder público. O peso da folha de pagamentos. Muitos governadores se manifestaram dizendo que falta pouco para virarmos gerentes de recursos humanos nos nossos Estados. E com o crescimento vegetativo da folha, mais dia, menos dia, todos os Estados e prefeituras vão quebrar.
Ajuste no Paraná
Conseguimos amenizar a situação do Paraná com o ajuste fiscal que fizemos. Logo que assumi, adotei medidas de austeridade, mas vendo a deterioração da economia, no final de 2014, tive a determinação de fazer o ajuste fiscal.
Perda de popularidade
Minha popularidade foi abalada, a aprovação do meu governo da mesma forma. Paguei um preço caríssimo, mas estou com a consciência tranquila porque cuidei do futuro do meu Estado em detrimento da minha popularidade.
Governo Temer
O governo precisa ter a coragem para fazer a mesma travessia difícil que fizemos no Paraná. E, ao fazer, vai passar para a História como o presidente que corrigiu o rumo do País.
Resistências
São medidas duríssimas, mas tem de enfrentar interesses corporativos.
Lentidão das reformas
A demora era compreensível em função do impeachment que se aguardava. Não se queria causar marola durante esse processo. Com a confirmação no cargo, agora é a hora.
Previdência
Não dá mais para a Previdência ser desse jeito. É a reclamação de todos os governadores. Não dá para conceber mais pessoas com 45 anos se aposentando.
Comunicação
Precisa mostrar o diagnóstico completo da situação em que se encontra o País. Falar da herança que o Temer recebeu. Para corrigir essa crise aguda, não há remédio que não seja amargo.

Gastos
O PT inchou demais o governo federal. Precisamos adotar a meritocracia. Todos queremos a eficiência da máquina pública.

Desgaste do PT
Está muito clara a rejeição ao partido, o que foi confirmado pelo impeachment. São os escândalos, a corrupção, a situação dificílima que atravessa o País. Uma crise sem precedentes, com 12 milhões de brasileiros desempregados. Muitas empresas fechando as portas.

Crise econômica
O mundo crescendo e o País discutindo se o PIB vai ser negativo em 3% ou 3,5%. Estamos na frente só da Venezuela, alinhada ideologicamente ao PT. Quem não entender o recado das ruas, está fadado ao fracasso. A população não aceita mais enganação.

Lula
As chances de ser candidato vão depender do desfecho do processo. Mas veja como as coisas são. Um homem passar de mito a não ter, muitas vezes, condição de andar na rua. Não dá para menosprezar a inteligência do povo. Achar que pode tudo e é inatingível.
ENTREVISTA A MARCELO DE MORAES

Ilustração: Kleber Sales

Siga a Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: www.facebook.com/colunadoestadao

Mais conteúdo sobre:

Beto Richa