Secretários são contra exclusividade para vacina de Oxford

Secretários são contra exclusividade para vacina de Oxford

Marianna Holanda

14 de outubro de 2020 | 20h25

Newton Menezes/Futura Press/Estadão Conteúdo

O Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) vai enviar um ofício para o Ministério da Saúde solicitando ao governo que compre a primeira vacina pronta e aprovada pela Anvisa.

O motivo do documento é que, nesta quarta, 14, o secretário-executivo da pasta, Elcio Franco, apresentou aos secretários estaduais um calendário de vacinação contando apenas com a de Oxford (convênio do governo federal via Fiocruz), cuja primeira dose seria em abril.

Segundo relatos da reunião, questionado a respeito de outras em estudo, como a chinesa em convênio com São Paulo, Franco não soube responder se o ministério pretende comprá-las ou não.

O que os secretários estaduais querem, segundo o presidente do conselho, Carlos Lula, é um compromisso de Eduardo Pazuello de priorizar a vacina que estiver pronta e aprovada primeiro – a previsão para as primeiras doses em São Paulo é para janeiro.

Como a Coluna já mostrou, a vacina foi politizada: por um lado, João Doria (PSDB) busca emplacar a pesquisa do Butatã com o governo chinês; de outro, Bolsonaro está com a de Oxford. O pano de fundo, claro, é 2022.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: