Secretário quer engajar cidades em vacinação

Secretário quer engajar cidades em vacinação

Coluna do Estadão

09 de setembro de 2020 | 05h00

Foto: Reuters/Amanda Perobelli

Diante das afirmações de Jair Bolsonaro de que não pode obrigar os brasileiros a se vacinarem contra a covid-19, o presidente do Conselho Nacional dos Secretários Estaduais de Saúde, Carlos Lula, começou a articular campanha com autoridades dos municípios para atuar em sentido contrário ao apontado pelo presidente até aqui: reforçar a necessidade de imunização contra doenças. “Tudo o que a gente não precisa é de um discurso de colocar em dúvida algo que sempre foi complexo (campanhas de vacinação em massa)”, afirma Lula.

Unir… Lula quer engajar os secretários de Saúde dos municípios, na ponta da cadeia de comando, para evitar que teorias antivacina desmotivem as famílias, não apenas no caso de um eventual imunizante contra a covid-19. Fiscalizar esse comportamento é um desafio aos gestores locais.

…forças. A grande preocupação dos médicos no caso da covid-19: pessoas que se imaginam fora de um “grupo de risco”.

Foi… Não saiu barato para Deltan Dallagnol a punição de “censura” imposta a ele pelo Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) no caso da interferência política (com postagens) do procurador na eleição do Senado, em 2019.

…derrota. Representa uma escalada nas sanções ao procurador, até bem pouco tempo “intocável” na avaliação de muitos. Ou seja, novas punições podem estar a caminho e serem ainda mais pesadas.

Simbólico. O caso que resultou na censura a Dallagnol é emblemático porque envolve combatente muito identificado com o mundo político, principal alvo da Lava Jato até hoje: Renan Calheiros (MDB).

Tá estranho? A operação que mirou Eduardo Paes (DEM) ocorreu às portas da campanha eleitoral e com busca e apreensão de um suposto crime ocorrido muitos anos antes.

Homem-bala. O entorno de Bolsonaro comemorou os dados divulgados pela Coluna: 105 mil registros de armas de fogo entre janeiro e agosto deste ano, recorde desde 2009. Segundo um assessor, o presidente está sendo “compreendido”.

SINAIS PARTICULARES.
Jair Bolsonaro, presidente da República

Ilustração: Kleber Sales

Luz… O Planalto sabe que comida cara é sinônimo de barriga vazia, aquela que, segundo os manuais mais primitivos, não reelege ninguém. Por isso, é tenso o clima entre os assessores do presidente, a equipe econômica e a Agricultura.

…amarela. A pressão sobre Paulo Guedes vai aumentar, diz um palaciano. As equações terminam em resultados preocupantes para o governo: 1) com o auxílio emergencial, se os preços sobem, o povo não come; 2) sem auxílio emergencial, o povo também não come do mesmo jeito.

CLICK. A senadora Mara Gabrilli (PSDB-SP) vestiu amarelo para lembrar que setembro é o mês da luta contra o suicídio e que todos podem buscar ajuda especializada.

Reprodução/Instagram

Fica a dica. A bancada do Novo na Assembleia-SP economizou aos cofres públicos R$ 12,96 milhões desde a posse. Os deputados Daniel José (líder), Heni Ozi Cukier, Ricardo Mellão e Sergio Victor reduziram gastos de gabinete, de pessoal e outras verbas disponíveis.

Ação. O candidato a vereador Samuel Emilio coordena processo de escuta pública em São Paulo, junto com o pré-candidato à Prefeitura pelo PSB, Márcio França. As três propostas mais bem votadas pela população serão incrementadas no plano de governo dos candidatos.

Lupa. O senador Fabiano Contarato (Rede-ES) apresentou um projeto de lei para que o IBGE inclua no censo demográfico a população em situação de rua. Para ele, é crucial saber quem são essas pessoas que “de tão marginalizadas, estão fora do radar da assistência social no Brasil”.

BOMBOU NAS REDES! 

O empresário e apresentador de TV Luciano Huck Foto: GABRIELA BILO/ESTADÃO

Luciano Huck, apresentador de TV e presidenciável: “Estas notícias parecem assombrações do passado. Mas infelizmente está rolando. Os preços da comida disparam — e nós estamos falando aqui do arroz, do feijão e da carne. Não dá pra brincar com o bafo quente do dragão da inflação.”

COM ALBERTO BOMBIG E MARIANA HAUBERT

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.