Se quiser PP, Maia terá de levar também o MDB

Se quiser PP, Maia terá de levar também o MDB

Coluna do Estadão

25 de janeiro de 2019 | 05h00

Foto: Dida Sampaio/Estadão

Na reta final da campanha à presidência da Câmara, Rodrigo Maia (DEM) tenta convencer o adversário Arthur Lira (PP) a apoiar sua recondução. Envolvidos dizem que Lira impôs uma condição: se quiser o PP, tem de dar espaço também ao MDB. Ao firmar a aliança com o PSL, do presidente Jair Bolsonaro, o DEM deixou de fora do bloco o PP e o MDB. Agora, o demista precisaria reacomodar os dois partidos. À frente da articulação política de Maia está o chefe do PR, Valdemar Costa Neto, e os ex-ministros Gilberto Kassab (PSD) e Marcos Pereira (PRB).

Manda quem pode. Partiu de Valdemar a ordem para Capitão Augusto (PR-SP) deixar a disputa na Câmara contra Maia. Apesar da força dentro da bancada da bala, o policial militar teve de acatar a decisão.

Traição. O PSB está incomodado com a aliança entre o PDT e o PSL de Bolsonaro. A avaliação é de que o partido fundado por Leonel Brizola põe em risco a atuação da esquerda em um momento crucial da história.

SINAIS PARTICULARES – A SÉRIE

DISPUTA NO CONGRESSO

Marcelo Freixo, pré-candidato à presidência da Câmara; por Kleber Sales

Currículo. Nas metas para os primeiros 100 dias do governo, o Banco Central incluiu a definição de critérios para o exercício do cargo de dirigente de bancos públicos “alinhando com exigências já existentes para o setor privado”.

Blitz. O ministro da Secretaria de Governo, Santos Cruz, fez ontem uma visita surpresa à Empresa Brasil de Comunicação no Rio de Janeiro. O governo considera que a EBC está tomada por oposicionistas e a ideia é propor sua reformulação até o dia 30 de janeiro.

Raio X. Na inspeção, o general encomendou um relatório sobre quantas pessoas e cargos tem cada setor, a folha de ponto e a informação sobre quem é funcionário de carreira e quem é comissionado. Na campanha, Bolsonaro cogitou privatizar a empresa.

Sem… Ex-presidente da Comissão de Ética Pública da Presidência, Mauro Menezes considerou “deploráveis” as mudanças nas medidas envolvendo a Lei de Acesso à Informação e no monitoramento das instituições financeiras.

…clareza. Para Menezes, o sistema de transparência pública sofre “golpe duro”.

Estreia… Primeira experiência de Sérgio Moro com o Congresso, o pacote de medidas contra a corrupção será cirúrgico para facilitar sua tramitação.

…política. Ciente da resistência dos parlamentares às propostas que fortalecem a Lava Jato, o ministro da Justiça disse a auxiliares ter optado por enviar um texto mais enxuto e objetivo.

Casa nova. A ex-chefe de gabinete de Michel Temer, Nara de Deus, foi abrigada na CNC, onde vai comandar a área legislativa e de relações institucionais.

CLICK. Em 2017, o presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, esteve no Brasil ao lado do advogado Fernando Tiburcio para visitar o então chanceler Aloysio Nunes.

Foto: Arquivo pessoal

Time. Aliados do presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, relataram a interlocutores brasileiros que ele está “sereno” e que nos próximos dias anunciará quais ações tomará para reinstalar a democracia no país. Para eles, as próximas 72 horas serão cruciais para o destino da Venezuela.

Bye, bye, Brasil. Ao dizer que vai renunciar ao seu novo mandato de deputado, Jean Wyllys deixou uma carta de despedida a seus colegas do PSOL. Ele cita ameaças e o provável envolvimento de milicianos na morte de Marielle Franco.

PRONTO, FALEI!

Deputado eleito general Peternelli (PSL-SP). Foto: Nilton Fukuda/Estadão

“Sou a favor de militares na reforma da Previdência, assim como devem entrar deputados, senadores, juízes, desembargadores”, DO DEPUTADO FEDERAL ELEITO GENERAL PETERNELLI (PSL-SP), defendendo uma proposta ampla.

COM REPORTAGEM DE NAIRA TRINDADE, JULIANA BRAGA E MARIANNA HOLANDA

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook:facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.