Saúde também sofre com surto de fake news

Saúde também sofre com surto de fake news

Coluna do Estadão

08 de fevereiro de 2020 | 05h00

FOTO: MINISTÉRIO DA SAÚDE

O Ministério da Saúde atua em várias frentes na crise do coronavírus: além do resgate dos brasileiros na China e do trabalho de prevenção no País, também tem dado duro para combater um outro mal destes tempos e que se espalha feito praga: as fake news. A quantidade de notícias falsas desmentidas pela pasta desde o começo da crise aumentou quase cinco vezes. A Saúde recebeu, entre 22 de janeiro e 4 de fevereiro, cerca de 400 mensagens com dúvidas por dia, mais de cinco mil no total: a maioria esmagadora precisou ser desmentida.

Credo. As mentiras mais compartilhadas, segundo o ministério, são: vitaminas e chás podem combater o coronavírus. Mas há ainda outras receitas mais exóticas, que trazem fotos de chineses supostamente curados tomando sopa de morcego.

Deixa estar. A avaliação de governistas sobre Paulo Guedes ter associado o funcionalismo público a “parasitas”: pode até dar munição às associações e sindicatos na guerra da opinião pública, mas eles não têm mais a força de mobilização de tempos passados e o percurso das reformas é hoje irreversível no Congresso.

Papo reto. Os aliados do ministro da Economia lembram também que a “contundência” de Guedes foi importante para a aprovação da reforma da Previdência, especialmente quando ele bateu de frente com a oposição petista.

Calma lá. Ainda assim, as centrais sindicais prometem lembrar da frase de Guedes à exaustão nos atos que já estão marcados para o próximo dia 14 em postos do INSS de todo o País.

Prática. “Na polêmica, fico com o que Guedes faz, ao invés de apoiar o que ele falou. Ninguém nunca valorizou tanto os quadros técnicos na administração”, defendeu o líder do governo no Congresso, Eduardo Gomes (MDB-TO).

CLICK. A primeira-dama Michelle Bolsonaro acompanhou os ministros Damares Alves e Osmar Terra na entrega de veículos de assistência social no Paraná.

FOTO: DIVULGAÇÃO/MINISTÉRIO DA CIDADANIA

Calma aí, gente. O presidente da Comissão de Meio Ambiente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Agostinho (PSB-SP), apresentou projeto legislativo para sustar os efeitos do decreto, publicado anteontem, que excluiu a sociedade civil do conselho deliberativo do Fundo Nacional do Meio Ambiente (FNMA).

Experiência. A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, vai criar um conselho informal e com enfoque internacional. O grupo terá o ex-embaixador de Washington Sérgio Amaral, o ex-ministro da Agricultura Roberto Rodrigues, Marcos Jank, professor de agronegócio do Insper, entre outros.

E… Palmas (TO) foi a segunda colocada no mais recente índice das capitais feito pelo Instituto de Gestão Municipal Aquila. Porém, a candidatura da prefeita Cinthia Ribeiro à reeleição vinha sendo boicotada pelo PSDB-TO.

…agora? A expectativa da tucana é de que a direção nacional reitere apoio à candidatura dela.

Com os… Flavio Amary, secretário da Habitação de SP, segue ensinamento da velha-guarda: o homem público precisa entrar na casa das pessoas e saber o que elas têm na geladeira, se passam dificuldades.

…próprios olhos. O tucano costuma visitar famílias contempladas em sorteios de casas no interior, como hoje, em Bebedouro (SP): 20 mil pessoas são aguardadas no estádio da cidade.

SINAIS PARTICULARES 
Flavio Amary, secretário estadual da Habitação de SP

ILUSTRAÇÃO: KLEBER SALES/ESTADÃO

PRONTO, FALEI!

Deputada Tabata Amaral. FOTO: GABRIELA BILO/ESTADÃO

Tabata Amaral, deputada federal (PDT-SP): “Impedir que jovens leiam clássicos da literatura, como Machado de Assis, é autoritário e demonstra grande ignorância. O governo de Rondônia deveria focar em políticas de combate à evasão escolar, por exemplo, que é um grande problema em nosso país e afeta diretamente o futuro dos nossos jovens”, sobre governo de RO mandar recolher livros de escolas.

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG E MARIANNA HOLANDA. COLABOROU ELIANE CANTANHÊDE

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.